Translate

segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

Fernando Pessoa no Cantinho da Poesia

Olá, excelente início de semana a todos nós.
Na coluna Cantinho da Poesia desta semana, duas poesias de Fernando Pessoa, considerado, ao lado de Luís de Camões, o maior poeta da língua portuguesa e um dos maiores da literatura universal.

Autopsicografia

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

E os que leem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas de roda
Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama coração.

 

Não sei quantas almas tenho

Não sei quantas almas tenho.
Cada momento mudei.
Continuamente me estranho.
Nunca me vi nem acabei.
De tanto ser, só tenho alma.
Quem tem alma não tem calma.
Quem vê é só o que vê,
Quem sente não é quem é,

Atento ao que sou e vejo,
Torno-me eles e não eu.
Cada meu sonho ou desejo
É do que nasce e não meu.
Sou minha própria paisagem;
Assisto à minha passagem,
Diverso, móbil e só,
Não sei sentir-me onde estou.

Por isso, alheio, vou lendo
Como páginas, meu ser.
O que segue não prevendo,
O que passou a esquecer.
Noto à margem do que li
O que julguei que senti.
Releio e digo: “Fui eu?”
Deus sabe, porque o escreveu.

Fernando Pessoa
Fernando António Nogueira Pessoa nasceu em Lisboa, Portugal, no dia 13 de junho de 1888, falecendo em 30 de novembro de 1935. Pessoa foi poeta, filósofo, dramaturgo, ensaísta, tradutor, publicitário, astrólogo, inventor, empresário, correspondente comercial, crítico literário e comentarista político português. Fernando Pessoa é o mais universal poeta português. 

Um pouco da obra de Fernando Pessoa
Livros:
Poemas de Álvaro de Campos; O eu profundo e os outros eus; Poemas completos de Alberto Caeiro; Ficções de interlúdio e O banqueiro anarquista, entre outros. 

Um comentário:

Ricarte disse...

Genial...