Translate

segunda-feira, 9 de abril de 2012


Olá amigos, como passaram o feriado? Ganharam muitos ovos de Páscoa?
Deixando o descanso de lado, vambora que hoje é segunda e tenho muito trabalho, assim como vocês também.
Para aguçar a criatividade, tem o nanoconto Faces, lembrando que você é que deve fazer o final da história que mais lhe agrada.
Vejam que legal a obra Tornado de Livros da artista Alicia Martins, muito interessante, dá uma espiada nas fotos.
Deixo aqui um comentário sobre a antologia que terminei de ler “Moedas para o Barqueiro”.
Finalizando os assuntos de hoje, tem um texto sobre internet, livros e e-books, são os avanços da internet até você.
Bem, espero que gostem.
Beijo grande e até amanhã.
Miriam


 Nanoconto
Faces
 
No escritório o administrador Paulo era uma pessoa adorável, com muitas qualidades, motivo de elogio dos colegas.
Em casa, no entanto, o administrador não era visto assim. 

-------------------------
O vendaval da literatura

O tornado de livros da artista Alicia Martin dispara de uma janela como uma explosão de água de uma mangueira gigante. A instalação escultural da artista, na Casa de America em Madri, mostra um desfile de livros fluindo da lateral de um prédio. O vendaval de literatura desafia a gravidade e chama atenção com seu grande tamanho. Três instalações tiveram lugar específico, por enquanto, das massivas obras esculturais nessa série conhecida como “Biografias”, que apresentam cada uma aproximadamente cinco mil livros esparramados uns sobre os outros.
As estruturas gigantes de livros de Martin dão vida aos objetos inanimados cheios de conhecimento. Ao construir as torres encurvadas com um exterior um tanto livre e desarrumado, mas mantendo um núcleo resistente, as páginas soltas dos livros ficam livres para se mexerem e fazerem barulho com o vento, permitindo à peça ser ainda mais animada.

Fonte: Opinião & Notícia


-------------------------
Moedas para o Barqueiro

Depois de um mês, terminei a leitura do livro Moedas para o Barqueiro, organizado por Cristiana Gimenes, da Andross Editora, 2010.
A antologia reúne 75 autores que falam sobre a morte, em suas visões diversas sobre o tema.
As histórias relatam o medo, o lado sombrio de nós mesmos ou do mundo sobrenatural, o mistério que ronda sobre a morte, sobre o outro lado e também daqueles que querem ludibriá-la.
Dentre as histórias, destaco os contos “Às portas do Inferno”, de Jocir Prandi, que é sobre um inspetor de caráter duvidoso e inescrupuloso; “Viagem ao Mundo dos Mortos”, de Alex Mir, que relata a experiência de um jovem que viajou até o outro lado para encontrar a sua amada e “Charlie”, de Igor Martins, sobre um homem com instinto sexual avassalador e criminoso. Os demais contos também são bons; vale como opção de entretenimento e lazer.

---------------------------
Internet às mãos de todas as classes sociais

Existe o que cabe no bolso, o colorido, o pesado, o fininho, com desenhos e até o digital.
A inauguração da primeira biblioteca do Brasil, a Biblioteca Nacional, foi fundada no dia 26 de outubro de 1.810, no Estado do Rio de Janeiro, por Dom João VI. Hoje ela é considerada pela UNESCO a sétima biblioteca nacional do mundo e, também, é a maior biblioteca da América Latina.
De acordo com estudo realizado pela Fundação Getúlio Vargas, o Brasil tem 2,67 bibliotecas para cada 100 mil habitantes. Este número ainda é considerado baixo, mas os interessados em aumentar seu acervo cultural não precisam mais sair de casa para ter acesso a um título. Com as novas tecnologias dos tablets o número de E-books (livros digitais), cresceu vertiginosamente.

As maiores livrarias do País já possuem um grande acervo para a venda deste modelo de livro em seus sites e continuam investindo. Uma das vantagens para o consumidor é que essas obras digitais têm um preço menor do que as obras impressas e não se desgastam ou amarelam com o tempo. Muitos sites também oferecem o conteúdo gratuitamente em bibliotecas virtuais comunitárias. 



Um comentário:

Jocir Prandi disse...

Olá, Miriam, tudo bem?

Fico feliz com sua menção ao meu conto em sua resenha. É bom saber que, apesar da falta de caráter do protagonista, o conto agradou.

Aproveito para parabenizar você por este blog. Eu sei, por experiência própria, que não é nada fácil manter uma iniciativa dessas em andamento, principalmente mantendo a qualidade e a frequência.

Espero que continue por um longo tempo. Parabéns! Beijos!

Jocir Prandi