Translate

sexta-feira, 16 de março de 2012


Oi amigos, até que enfim hoje é sexta-feira!!! Ufa, pensei que a semana não fosse terminar mais!!!
Para esta sexta, deixo o miniconto “Adeus amada esposa”, acompanhem o sofrimento de um pobre marido...
Para que todos possam iniciar descontraídos o final de semana, que tal um choro de bolso na Realejo Eventos? Acompanhe aqui a programação gratuita da Livraria.
Na terça-feira, 20/3, a poetiza, haicaista e letrista Alice Ruiz estará em Santos para participar dos debates do grupo de leitura Mania de Ler. Confira.
Espero que gostem.
Beijão e aproveitem o dia!
Miriam


Miniconto
Adeus amada esposa!
Ao chegar ao recinto, os amigos do escritório foram em sua direção abraçá-lo, pois sem dúvida, aquele era um momento delicado e palavra alguma conseguiria expressar a dor que ele sentia.  
Depois de 12 anos juntos, a fatalidade os separou e ele estava arrasado, o que deixava ainda mais tristes os amigos e parentes.
Chegado o momento de tortura para o fiel e amável esposo - um advogado bem sucedido que se casara com a filha única de um rico empresário e herdeira de tamanha fortuna - trouxeram o caixão. Aos prantos, o marido fez um sinal para que o abrissem. Cambaleando e amparado, este se debruçou no féretro e...
...
Caiu no chão ao ver que ali deitada, linda morena, não era Aninha!
Choro, riso e desespero; onde estaria sua esposa afinal?
Para a surpresa de todos, Anna Maria surge na porta do velório.
...
Estava viva e mais horrorosa do que nunca! Ela calmamente vai até a direção do marido.
Boquiabertos todos acompanham a cena.
Anna se aproxima do esposo, se abaixa e lhe fala ao ouvido: “querido paguei o dobro ao seu matador. Além desse delito você será acusado por outros; serão anos de prisão. Não se esqueça de uma coisa: nunca subestime uma mulher traída!”.  

-----------------------------------


Eventos na Realejo Livraria

Choro de Bolso da Realejo celebra música, boemia e amizade todas as sextas no Gonzaga


É tradição. Há seis anos, perto das 18h, já é possível perceber o burburinho na rua Marechal Deodoro, bem perto à Praça Independência. Público e artistas de todos os segmentos da região encontram-se para celebrar a cultura, a amizade e o início do fim de semana em frente à Livraria Realejo, onde ocorre o Choro de Bolso.

Desde 2005, as pessoas podem se acomodar nas mesas cobertas por toldos e acompanhar a música apreciando a dupla de sucesso: cerveja geladinha com amendoim, entre outros produtos a venda no Café Impresso, tais como salgados, cafés, cappuccinos, refrigerantes, sucos, trufas de chocolate, doces portugueses e, a exclusiva, cachaça Córrego da Onça.

As canções são executadas por Marcos Canduta (violão) e Débora Gozzoli (flauta transversal). Eventualmente, a dupla ganha a companhia de algum músico convidado. Não é cobrado couvert artístico. Basta chegar e curtir. Muitas das vezes também há lançamento de livro junto ao encontro. 

Nesta mesma calçada em que se apresentam semanalmente os músicos, já tocaram em lançamentos e festas: André Abujamra (Karnak), Guca Domenico (Língua de Trapo), a banda de blues Descambo (com Fábio Brum, na guitarra), Jorge Mautner, Wandi Doratiotto, Madrigal Ars Viva, Mario Bortolotto e Cavalo de Praia, Mauro Hector e Theo Cancello, músicos da banda de rock Velhas Virgens, Edinho Godoy e José Luiz Barbosa, entre outros.



Serviço:

Choro de Bolso, com Marcos Canduta e Débora Gozzoli

Quando: Todas as sextas, a partir das 18h
Onde: Calçada em frente à Livraria Realejo, rua Marechal Deodoro, 2, Gonzaga.
Gratuito




Happy hour da Realejo aos sábados celebra a arte e a amizade com MPB, jazz e bossa


Assim como o Choro de Bolso virou tradição às sextas, a happy hour da Realejo aos sábados ganha novos admiradores a cada semana. Além de proporcionar ao público boa música de forma gratuita, executada pela dupla Edinho Godoy e Theo Cancelo, o evento celebra o encontro entre artistas de vários segmentos e a sociedade. No repertório, MPB, jazz e bossa. Basta chegar e curtir. É possível acompanhar as canções apreciando a dupla de sucesso: cerveja geladinha com amendoim, entre outros produtos a venda no Café Impresso, tais como salgados, cafés, cappuccinos, refrigerantes, sucos, trufas de chocolate, doces portugueses e, a exclusiva, cachaça Córrego da Onça. Muitas das vezes também há lançamento de livro junto ao encontro. 

Nesta mesma calçada em que se apresentam semanalmente os músicos, já tocaram em lançamentos e festas: André Abujamra (Karnak), Guca Domenico (Língua de Trapo), a banda de blues Descambo (com Fábio Brum, na guitarra), Jorge Mautner, Wandi Doratiotto, Madrigal Ars Viva, Mario Bortolotto e Cavalo de Praia, Mauro Hector, músicos da banda de rock Velhas Virgens, e José Luiz Barbosa, entre outros.


Serviço:

MPB, jazz e bossa, com Edinho Godoy e Theo Cancello

Quando: Todos os sábados, a partir das 18h

Onde: Calçada em frente à Livraria Realejo, rua Marechal Deodoro, 2, Gonzaga.
Gratuito

Mais informações: www.realejolivros.com.br
---------------------------------------
Poetiza Alice Ruiz em Santos

 A poetiza, haicaista e letrista Alice Ruiz estará em Santos, no dia 20 de março, para participar dos debates do grupo de leitura Mania de Ler. Todo mês o Mania de Ler estuda um autor e sua obra e em março optou pela poeta. Só que desta vez haverá a presença da escritora, que irá interagir com os leitores. 
Alice Ruiz participou de movimentos culturais do Brasil, desde a década de 70, foi casada com Paulo Leminski e foi parceira de Arnaldo Antunes, Arrigo Barnabé, Tetê Espíndola e Adriana Calcanhoto. 
Até hoje, além de escrever, ministra cursos e oficinas poéticas, em especial de haicais.
O evento está aberto a todos os públicos e acontecerá no Sesc/Santos, das 18 às 20 horas, na sala 2.

Nenhum comentário: