domingo, 24 de fevereiro de 2019


Curso Ações Multiplicadoras na Pinacoteca do Estado

Olá ótimo domingo a todos, muito calor aqui na Baixada Santista, abraços,
Míriam




sábado, 23 de fevereiro de 2019


Hoje tem apresentação de dança contemporânea no SESI Santos

Olá amigos, excelente sábado a todos nós. Faz muito calor na Baixada Santista e quem veio para aproveitar a praia se deu bem!
Estou em obras literalmente aqui em casa e, por isso, não tenho postado informações aqui na página.
Bem, aproveitem o dia e à noite com a atração gratuita promovida pelo SESI, abraços,
Míriam

O SESI Santos recebe o espetáculo O Crivo, do grupo Ateliê do Gesto, última apresentação neste sábado (23), às 20 horas. A apresentação de dança contemporânea, que estreou ontem, retrata as transformações cotidianas, inspirada nas relações humanas e no regionalismo brasileiro.
Dois homens criam relações que só se revelam à medida que atravessam suas histórias. O sertão ao som fazendeiro, de galo cantando e vento batendo nas folhas das árvores. Mas, o SER-TÃO é outro: não está em Minas, na Bahia ou em Goiás. O SER-TÃO, é o vazio em meio aos resquícios das notas pesadas e sutis dos pianos de Villa-Lobos, Francisco Mignone e Arthur Moreira Lima. É o sozinho que todos temos, o mundo de cada um.


Inspirado em três contos da obra Primeiras Estórias, de João Guimarães Rosa (A Terceira Margem do Rio, O Espelho e Nada, e a Nossa Condição), O Crivo apresenta o homem em questão: aquele que busca a solidão para autodialogar, diante da condição de vida e morte, do inexplicável.
Colocar-se em trânsito, atravessar, viver no limiar entre os opostos: limite e não limite, fala e silêncio, movimento e repouso, nascimento e morte, mistério que nos espera enquanto perecemos.

Serviço:
Dança contemporânea “O Crivo”
Quando: neste sábado (23), às 20 horas
Local: Teatro do SESI Santos – Avenida Nossa Senhora de Fátima, 366, Jardim Santa Maria (com estacionamento gratuito no local)
Capacidade: 145 lugares 02 para cadeirantes
Duração: 50 minutos
Classificação indicativa: Livre
Gênero: Dança Contemporânea
Informações: (13) 3209-8210
Entrada gratuita
Reservas antecipadas pelo Meu SESI
Uma cota de ingressos serão distribuídos a partir 01hora antes do início do espetáculo  

terça-feira, 19 de fevereiro de 2019



O Gato Preto
Novidades de Edgar Allan Poe

Olá, bom dia e excelente terça-feira a todos nós.
O Gato Preto e outras imagens do magnífico autor Edgar Allan Poe, conheça as novidades no blog do autor Ademir Pascale, acesse:




segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019


A Tua voz fala amorosa...
Fernando Pessoa no Cantinho da Poesia

Olá, bom dia e excelente início de semana a todos nós.
Hoje tem Fernando Pessoa na coluna Cantinho da Poesia, maravilhoso poema da Revista Prosa Verso e Arte.
Espero que gostem, abraços



A tua voz fala amorosa…
Tão meiga fala que me esquece
Que é falsa a sua branda prosa.
Meu coração desentristece.

Sim, como a música sugere
O que na música não está,
Meu coração nada mais quer
Que a melodia que em ti há…

Amar-me? Quem o crera? Fala
Na mesma voz que nada diz
Se és uma música que embala.
Eu ouço, ignoro, e sou feliz.

Nem há felicidade falsa,
Enquanto dura é verdadeira.
Que importa o que a verdade exalça
Se sou feliz desta maneira?

sábado, 16 de fevereiro de 2019


Os Arqueólogos, no SESI Santos
Neste sábado, às 20 horas com entrada gratuita

Dois narradores esportivos contam cenas cotidianas vistas em uma praça: um pai ensina o filho a fotografar com uma câmera analógica; um casal tem uma discussão de relacionamento; pedestres cruzam a rua; um senhor alimenta os pombos. No segundo momento, em um futuro distante, dois arqueólogos refletem sobre os vestígios deixados pelas pessoas.
Interpretado por apenas dois atores que se multiplicam em mais de uma dezena de personagens, a peça Os Arqueólogos usa a metáfora para refletir acerca da grandeza do ínfimo: sobre o inescapável fato de que aquilo que carregamos no bolso de nossas roupas serão documentos históricos dentro de uma centena de anos.


Comédia, Adulto, 60 min
Texto: Vinicius Calderoni | Direção: Rafael Gomes | Elenco: Guilherme Magon e Vinicius Calderoni | Iluminação e Cenografia: Marisa Bentivegna | Figurino: Daniel Infantini | Trilha Sonora: Miguel Caldas | Assistência de direção: Davi Novaes | Direção de Produção: César Ramos e Gustavo Sanna | Operação de Luz: Henrique Andrade | 
Operação de som: Vinicius árabe | Produção: Complementar Produções | Um espetáculo: Empório de Teatro Sortido

Serviço:
Peça teatral “Os Arqueólogos”
Quando: sábado, dia 16 de fevereiro, às 20 horas
Local: Teatro do SESI Santos – Avenida Nossa Senhora de Fátima, 366, Jardim Santa Maria
Mais informações: (13) 3209-8210
Entrada gratuita – chegar 30 minutos de antecedência
Reserva de ingressos: Meu SESI:

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019


Exposição fotográfica na Sabesp
“Lugares e Pessoas” - panorama do Japão


A Sabesp recebe a exposição fotográfica “Lugares e Pessoas” no saguão do Palácio Saturnino de Brito, no Centro de Santos, até o dia 3 de março, graças parceria com o SESI por meio do Programa Caixa de Cultura.
A mostra, que circula pelo projeto Exposições Itinerantes do SESI-SP, traz 12 reproduções de lugares históricos do Japão pelo fotógrafo Paulo Tavares. O acervo procura mostrar a sensibilidade do povo oriental, o seu cuidado e sentimento pela natureza. Assim, cada lugar fotografado possui um significado especial para o povo japonês que, apesar do grande desenvolvimento tecnológico, consegue manter seu dogma cultural ligado à natureza.
A visitação é aberta a funcionários, em qualquer horário e também ao público em geral, de terça a sexta, das 11h às 17h e aos sábados, das 11h às 16h, com entrada gratuita. 


Paulo Tavares

O fotógrafo Paulo Tavares começou a fotografar há 12 anos, quando comprou sua primeira câmera. Entre os seus objetivos, está o de retratar momentos que, de alguma forma, expressem sentimentos.
Ele fez cursos de fotografia e em 2003 foi morar no Japão. Dois anos depois, ainda no país oriental, reuniu a esposa e mais dois amigos para fazer books fotográficos. Atualmente, de volta ao Brasil, continua se dedicando à fotografia profissional.


Palácio Saturnino de Brito

Construído no final do século XIX, a sede da Sabesp na Baixada Santista abriga, em seus 1.050 m², o acervo Saturnino de Brito. Além do piso de mármore nacional, que reveste também a escadaria, destaque para os vitrais ‘Os Bandeirantes’ e a cúpula em cujo centro está o escudo do Estado de São Paulo. O sobrado original, de 1903, foi projetado para abrigar a Comissão de Saneamento, liderada pelo engenheiro Francisco Rodrigues Saturnino de Brito, o Patrono da Engenharia Sanitária do Brasil, responsável pelo pioneiro sistemas de drenagem e de rede de esgotos que livrou a cidade de epidemias e garantiu o desenvolvimento de Santos.
O acervo conta com móveis utilizados pelo sanitarista, projetos, plantas e materiais que ajudam a contar um importante capítulo do projeto de saneamento viabilizado na Cidade.


Serviço:
Exposição fotográfica “Lugares e Pessoas” – Projeto SESI Caixa de Cultura
Quando: de 14 de fevereiro a 03 de março – entrada gratuita
Local: saguão do Palácio Saturnino de Brito – Av. São Francisco, 128, Centro, Santos – entrada gratuita
Visitação: funcionários: diariamente em qualquer horário
Público externo: de terça a sexta-feira, das 11h às 17h e sábado, das 11h às 16h 

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019


Dicas da Língua Portuguesa

Olá, bom dia.
Hoje é quinta-feira, dia de relembrar dicas da Língua Portuguesa.
Acompanhe os exemplos descontraídos do Reino Animal.



 Fonte: Instituto Fernando Moura 

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019


Sugestão de leitura
Livro “A revolução dos bichos”, de George Orwell

Olá, bom dia a todos!
A mediadora cultura Renata Fuentes recomenda mais uma grande obra da literatura internacional.

Em tempos politicamente cada vez mais conturbados, vale ler novamente A revolução dos bichos, um clássico escrito por George Orwell.
A fábula que foi publicada em 1945 permanece atual até os dias de hoje e a sua leitura nos faz embarcar em um mundo paralelo que, ao contrário do que possa parecer a primeira vista, tem muito a ver com o nosso. 
A história se passa na Granja do Solar, onde uma série de bichos se reúne para fazer uma revolução. São galinhas, pombas, cachorros, cavalos, vacas, cabras, burros e ovelhas que possuem características humanas.
Liderados pelos porcos - considerados os mais inteligentes do grupo -, os animais desejam dar fim à exploração feita pelo senhor Jones, o dono da quinta: 


“Então, camaradas, qual é a natureza da nossa vida? Enfrentemos a realidade: nossa vida é miserável, trabalhosa e curta. Nascemos, recebemos o mínimo de alimento necessário para continuar respirando e os que podem trabalhar são forçados a fazê-lo até a última parcela de suas forças; no instante em que nossa utilidade acaba, trucidam-nos com hedionda crueldade. Nenhum animal, na Inglaterra, sabe o que é felicidade ou lazer, após completar um ano de vida. Nenhum animal, na Inglaterra, é livre. A vida de um animal é feita de miséria e escravidão: essa é a verdade nua e crua. Será isso, apenas, a ordem natural das coisas? Será esta nossa terra tão pobre que não ofereça condições de vida decente aos seus habitantes? Não, camaradas, mil vezes não!
Com muito custo o proprietário acaba por ser expulso da sua quinta e os animais tomam a frente da quinta, criando um novo tipo de sociedade, igualitária e baseada na não exploração.
A leitura de A revolução dos bichos é repleta de humor e nos faz pensar sobre a nossa própria sociedade, o sistema de trabalho, as condições de vida, a desigualdade.
Apesar de a narrativa ser construída como uma fábula e protagonizada por bichos, A revolução dos bichos aborda essencialmente a condição humana e a tendência de oprimirmos (ou sermos oprimidos).
Recomendamos a leitura porque acreditamos que a obra-prima de George Orwell pode ser um excelente pontapé inicial para começarmos o ano instigando uma severa crítica social.  

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

O que eu tenho cabe nas mãos
Poema de Bernadete Bernardo 

Excelente início de semana a todos nós.
Para a coluna Cantinho da Poesia, mais um poema de minha amiga Bernadete Bernardo, espero que apreciem.
Abraços,


O que eu tinha cabe nas mãos

Nas mãos espalmadas e calejadas,
delineadas para saber quem sou.
Um dia alegre, no outro triste,
Um dia vou, em outro fico.
Ainda canto, mas estarei muda,
um dia... em algum canto.
Em pensamento vou longe
e me distancio das coisas esquivas.
Quando volto, sigo as pegadas!

Livro “Primeiros Versos”, página 47
Editora Recanto das Letras  

domingo, 10 de fevereiro de 2019


Parques estaduais na capital
Horto Florestal

Olá, um ótimo dia a todos nós.
Neste domingão ensolarado, que tal conhecer o Horto Florestal de São Paulo?

Localizado em área urbana, na Zona Norte da cidade de São Paulo, o Parque Estadual Alberto Löfgren, mais conhecido como Horto Florestal foi criado em 1986 pelo naturalista e botânico sueco Alfredo Löfgren e possui 187 hectares de área, sendo 35 destinados ao público. O parque possui uma rica representatividade de Mata Atlântica, algo raro na capital paulista, e possui áreas de lazer, lagos e bicas. Espécies exóticas de eucalipto podem ser vistas no Horto, assim como o pau-brasil. Entre animais a serem observados no Horto destacam-se tucanos, maritacas, esquilos e capivaras.


Serviço:
Visitação ao Horto Florestal de São Paulo
Endereço: Rua: do Horto, 931, Tremembé, SP
Funcionamento: de segunda a segunda das 6h às 18h - horário de verão, até às 19h
Ingressos: R$15,00
Mais informações: (11) 2232-3117
E-mail:  pehortoflorestal@sp.gov.br
O parque oferece estacionamento pago ou pode-se estacionar em ruas do entorno (cuidado com flanelinhas) 

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019


Conexão Literatura edição de fevereiro

Olá, bom dia e excelente sexta-feira a todos nós.
Para aqueles que ainda não leram a edição de fevereiro da Revista Conexão Literatura, basta acessar o link e baixar gratuitamente.
Acompanhe a divulgação da edição no Blog Literagindo:

Os destaques desta edição ficam por conta da coluna de Roberto Chymma. A partir de um conto muito delicado, ele nos transporta para o mundo canino, provando que irmãos não se separam jamais, independentemente da espécie.
Nossa colega Mírian Santiago não fica atrás. Ela traz a tradução do último capítulo de um livro encantador, “As Brumas de Avalon”, da autora norte-americana Maryon Zimmer Breadley, que já encantou milhares de jovens e adultos ao redor do globo.
Rafael Botter também traz duas indicações da Netflix aos cinéfilos de plantão, com destaque para o filme “Sementes Podres”. E vocês acham que acabou?
Entrevistas com autores brilharão neste mês, com um recheio todo especial. Alexandre Mascarenhas dita o ritmo das páginas culturais da Conexão Literatura, com sua obra “A Sombra do Barco”, que você também poderá adquirir pela Chiado Books. No entanto, o blog Literagindo anuncia o lançamento do livro do nosso colega Ademir Pascale, pela Editora Selo Jovem, no primeiro trimestre deste ano.
 Se você quiser ver a capa do livro “O Clube de Leitura de Edgar Alan Poe”, basta acessar: www.edgaralanpoe.com.br
 Curtiram?
O blog Literagindo aproveita para agradecer aos inúmeros (as) escritores (as) e leitores (as) que acompanham as edições da revista Conexão Literatura por aqui. Em breve disponibilizaremos também, o jornal “A Lira”, do nosso colega Maurílio Rezende, na coluna Colunista Amigo. Tudo para tornar seus momentos de entretenimento mais reflexivos e ainda mais saborosos.



Acesse o blog:

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

Oficina Literária na Pinacoteca Benedicto Calixto

"Como se tornar escritor" - Oficina Literária ministrada pelo poeta, jornalista e crítico literário Flávio Viegas Amoreira sobre criação literária em conto, poesia e romance,
edição de livros e novas tendências da literatura universal,

- toda quarta-feira entre 17h30 e 19h na Pinacoteca Benedicto Calixto, Avenida Bartolomeu de Gusmão, 15, Santos.
Inscrições na Secretaria da entidade das 8 às 18 horas. 
Oficinas de Criação Literária 2019 a partir dia 13 de fevereiro
Flávio Viegas Amoreira
flavioamoreira@uol.com.br



terça-feira, 5 de fevereiro de 2019


O Clube de Leitura de Edgar Allan Poe
De Ademir Pascale

Em meio a perseguições, em que a maneira de o autor descrever o clima psicológico que se abate sobre os personagens deixará o leitor sem fôlego

Ademir Pascale, neste livro, conseguiu unir suas duas paixões: literatura e Edgar Allan Poe. Claro, Pascale se diz também apreciador de pizzas, que igualmente aparecem no texto, mas essa minúcia não será explorada aqui.

O que quero deixar claro nestas linhas se prende à verve literária do autor, ou seja, Pascale sabe como contar uma história. E o faz sobre um alicerce temático de que é grande conhecedor e expoente: estrutura uma trama na qual uma teia de referências ao criador do gênero policial vem urdida a todo momento, externa e internamente, isto é, desde os títulos dos capítulos, as menções a trechos de poemas, até o modo de os personagens se vestirem e viverem.

Essa teia referencial materializa a paixão do escritor pelo autor de O Corvo, o que vem a comprovar o fato de Pascale usar com total propriedade uma das máximas de escrita segundo a qual não basta dizer, tem de mostrar.

Em outras palavras, Pascale não diz simplesmente: “Ei, eu gosto de Edgar Allan Poe”. Ele nos mostra, nos faz perceber que Edgar Allan Poe vem entranhado em todo o seu ser e o transfere para sua narrativa. Os membros do Clube de Leitura são apaixonados por aquela figura esquisita (refiro-me a Poe), conhecedores da vida e da obra do mestre.

Como se não bastasse essa paixão, Pascale ainda a insere em uma história sombria (agora, uma paixão à maneira de Edgar Allan Poe), em que um dos membros do Clube de Leitura desaparece e outros passam, gradualmente, a ser alvos de um maníaco. O clímax não poderia ser mais surpreendente.

Em meio a perseguições, em que a maneira de o autor descrever o clima psicológico que se abate sobre os personagens deixará o leitor sem fôlego, Pascale, como excelente romancista, aproveita para apresentar algumas relações familiares e amorosas, cujo desfecho... bem, sugiro que você não perca mais tempo em ler o que se segue. Mas não terminou.

Gostaria de deixar registrados meus agradecimentos a Ademir Pascale por me convidar a escrever estas modestas linhas. Claro que estas não abarcaram ou, mais sinceramente, não lograram demonstrar a força narrativa com que o autor nos brinda, o que faz com que sejamos, pouco a pouco, envoltos por uma trama que flui com espontaneidade, com leveza, proveniente da pena de um escritor competentemente maduro.

O Clube de Leitura de Edgar Allan Poe não só é um tributo memorável ao mestre como também um vigoroso elogio à leitura, aos livros, à literatura. Mais uma vez Pascale presta um inestimável trabalho literário, mesmo em um mundo que concede mais valor ao efêmero, às coisas que passam.

Sérgio Simka, doutor em Língua Portuguesa pela PUC-SP, é professor universitário desde 1999. Autor de cinco dezenas de livros publicados nas áreas de gramática, literatura, produção textual, literatura infantil e infantojuvenil. Idealizou, com Cida Simka, a coleção Mistério, publicada pela Editora Uirapuru. Membro do Conselho Editorial da Editora Pumpkin e integrante do Núcleo de Escritores do Grande ABC.

MAIS INFORMAÇÕES SOBRE O LIVRO “O CLUBE DE LEITURA DE EDGAR ALLAN POE”
Sinopse: 

Situado numa sala de um antigo prédio do centro da cidade de São Paulo, o Clube de Leitura de Edgar Allan Poe, apresenta personagens intrigantes e problemáticos, iniciando pelo cofundador, um velho caolho de nome Clay, que não vê mais sentido na vida depois da morte trágica da esposa Virginia. Henrico e Marcelo, irmãos órfãos que tentam levar uma vida pacata em um sebo na garagem de casa, mas que eventos sobrenaturais assolam a vida de um deles, que é atormentado por corvos. Samanta é uma jovem gótica e solitária. Rafael, ex-vocalista da banda Nevermore, sente-se rejeitado pela rica família e vive nas ruas e noites paulistanas tentando encontrar um novo caminho. Bernardo e Kátia, casal que discute a relação entre casar ou apenas morar juntos, vivem aventuras perigosas. Mas, todos com algo em comum: a paixão que nutrem pela vida e obra do inigualável mestre do horror: Poe.

SERVIÇO:
Título: O Clube de Leitura de Edgar Allan Poe
Autor: Ademir Pascale
Prefácio: Sérgio Simka
Editora: Selo Jovem
Gênero: Aventura/Horror/Detetivesco
Ano: 2019
Site: http://www.edgarallanpoe.com.br

Preço na pré-venda: R$ 21,00
Pré-venda: 

Ademir Pascale
Ademir Pascale é paulista, editor e criador da revista Conexão Literatura, escritor e ativista cultural. Já participou como organizador, editor, autor e coautor em mais de 40 livros, tendo contos publicados no Brasil, França, Portugal e México. Fã nº 01 de Edgar Allan Poe. Organizador da coletânea "Possessão Alienígena" (Editora Devir/2019). Adora pizza e séries televisivas. Mantêm os sites: http://www.edgarallanpoe.com.br e http://www.revistaconexaoliteratura.com.br.
Facebook: Ademir Pascale
Twitter: 
http://www.twitter.com/ademirpascale
Fanpage: 
http://www.facebook.com/poesclub