sexta-feira, 2 de novembro de 2018


A Virtude da Raiva

Olá, bom dia e excelente feriado de Dia de Finados a todos nós. 
A nossa querida leitora Hanah enviou por e-mail mais uma indicação de leitura. Ela gostou muito do livro “A Virtude da Raiva” e deixa a dica.
Agradecemos à Hanah e compartilhe você também com os leitores do Histórias Fantásticas a sua dica de leitura.
Abraços,
Míriam

A Virtude da Raiva
Autor: Arun Gandhi
Editora: Sextante
Paginas: 175

"Não precisamos ter vergonha da raiva. Ela é algo muito bonito e poderoso que nos leva a agir. Temos que nos envergonhar é de exagerarmos a dose." (Mahatma Gandhi).
A Virtude da Raiva não é um livro religioso, embora absorver as ideias possa trazer paz de espírito. É um livro que relata as lembranças de um neto no início de sua adolescência e como isso transformou a sua vida.
Logo no prefácio um parágrafo me abalou: "Agora, mais uma vez, precisamos parar de brigar uns com os outros para efetivamente encarar os verdadeiros perigos que enfrentamos. Atentados a bomba se tornaram parte da realidade cotidiana em diversos países. Vemos policiais e manifestantes pacíficos serem mortos a sangue frio. Crianças são assassinadas nas escolas e nas ruas e as redes sociais se tornaram um fórum para o ódio e o preconceito, os políticos incitam a violência e a raiva em vez de buscar o consenso".
O livro é dividido em onze lições que Arun Gandhi aprendeu nos dois anos em que viveu na Índia, e descreve como as aprendeu. Essas lições servem perfeitamente para os dias de hoje. Usarei algumas palavras de Mahatma Gandhi, ou Babuji como Arun o chamava para descrever cada lição.

Arun Gandhi
Arun Gandhi nasceu em 1934 e é o quinto neto de Mohandas K. Gandhi. Ele foi jornalista do Times of India por mais de trinta anos e também escreveu para o The Whashington Post. É autor de Legacy of Love, Grand-father, entre outros.
Atualmente é presidente do Gandhi Worldwide Education Institute e viaja ao redor do mundo difundindo sua mensagem de paz e não violência. Ele mora em Rochester, Nova York.

Nenhum comentário: