quinta-feira, 29 de novembro de 2018

Coluna Dicas da Língua Portuguesa

Olá, excelente quinta-feira a todos nós.
Acompanhe mais uma dica da Língua Portuguesa que pode ser útil para o dia a dia.
Obrigada, abraços.


Fonte: site dicasdiariasdeportugues 

quarta-feira, 28 de novembro de 2018


Prática Teatral em Foco
Livro 30 Anos do Núcleo de Artes Cênicas do SESI-SP

Uma história a partir das pessoas escrita por Valmir Santos, um dos mais reconhecidos críticos de artes cênicas e jornalista cultural, com imagens do fotógrafo especialista em artes cênicas Bob Sousa, a convite do SESI-SP.
O livro traz uma iniciativa singular no contexto brasileiro e latino-americano sobre a prática teatral.
Este livro narra e dá a ver as três décadas de história do Núcleo de Artes Cênicas do SESI-SP, o NAC, programa de cursos não profissionalizantes de iniciação ao teatro e vivência de processos criativos que atende crianças, adolescentes, adultos e idosos. Implantado em 1987 e presente em 21 unidades da capital, da região metropolitana, do interior e do litoral paulistas, o programa pedagógico gratuito reafirma o trabalho continuado do Serviço Social da Indústria de São Paulo (SESI-SP) e seu pioneirismo ao abraçar a noção de cidadania. As aulas conjugam balizas social, educacional, cultural e artística em prol de sujeitos críticos e participativos, protagonistas de suas próprias
vidas. Nestes Atos de coexistência, as páginas ecoam vozes de aprendizes, orientadores e técnicos, além de gestores atentos ao aperfeiçoamento permanente. Todos eles, em alguma medida, tocados pelas ideias amadoras, comunitárias e humanistas que ajudaram a solidificar a identidade do NAC e a prover sua memória feita de histórias singulares.
À venda na Secretaria Única do SESI-SP, em Santos, à Avenida Nossa Senhora de Fátima, 366, Jardim Santa Maria.

NAC
Com 30 anos de existência, o Núcleo de Artes Cênicas é um dos mais expressivos programas de formação em cultura do SESI-SP. Atende mais de 6 mil alunos por ano, atuando na promoção da qualidade de vida em cursos para adultos, na orientação de jovens estudantes de teatro e na expansão da criatividade infantil por meio da vivência teatral e que incide profundamente na formação de público das cidades e bairros do Estado de São Paulo.
Serviço:
Livro: “Atos de Coexistência: 30 anos do Núcleo de Artes Cênicas do SESI-SP”
Editora: SESI-SP; Edição: 1 (27 de setembro de 2017)
Ano: 2017
Capa: Dura
Páginas: 208 páginas e 365 fotos
Coleção: Teatro Popular do SESI
Idioma: Português

terça-feira, 27 de novembro de 2018


 Musical ‘O Fantasma da Ópera’ está em cartaz

O musical de maior sucesso da Broadway, O Fantasma da Ópera retornou ao Brasil após 13 anos de sua estreia em São Paulo. O espetáculo, que já foi visto por mais de 140 milhões de pessoas no mundo, está em cartaz no Teatro Renault, no centro da capital paulista.
Sucesso há 30 anos e traduzido para 15 idiomas, trata-se da história de um fantasma que assombra um teatro em Paris e tem um “amor” doentio pela cantora Cristine Daaé, sendo capaz de matar para conseguir o que quer.
Em sua primeira temporada no Brasil (2005), chegou a ser visto por cerca de 880 mil pessoas. Atualmente, o espetáculo estava previsto para ficar em cartaz até o final de dezembro deste ano, mas a temporada foi prorrogada e continuará até fevereiro de 2019.


Serviço
O Fantasma da Ópera
Até 28 de fevereiro 2019 no Teatro Renault
Avenida Brigadeiro Luís Antônio, 411, Bela Vista, São Paulo
Ingressos: R$ 37,50 a R$ 280 bilheteria do teatro ou no

segunda-feira, 26 de novembro de 2018


António Gomes Leal no Cantinho da Poesia

Olá, excelente início de semana a todos nós.
Ontem fui assistir ao filme “Bohemian Rhapsody”, vale a pena.
Para a coluna Cantinho da Poesia desta segunda, Carta ao Mar, poema de António Gomes Leal.

Deixa escrever-te, verde mar antigo, 
Largo Oceano, velho deus limoso, 
Coração sempre lyrico, choroso, 
E terno visionario, meu amigo! 

Das bandas do poente lamentoso 
Quando o vermelho sol vae ter comtigo, 
- Nada é mais grande, nobre e doloroso, 
Do que tu, - vasto e humido jazigo! 

Nada é mais triste, tragico e profundo! 
Ninguem te vence ou te venceu no mundo!... 
Mas tambem, quem te poude consollar?! 

Tu és Força, Arte, Amor, por excellencia! 
E, comtudo, ouve-o aqui, em confidencia; 
- A Musica é mais triste inda que o Mar! 

António Gomes Leal
António Duarte Gomes Leal nasce em Lisboa em 1848. Filho ilegítimo de um funcionário público vive com a mãe e a irmã, a sua principal fonte de inspiração. No ano da morte de sua irmã, em 1875, publica Claridades do Sul, a sua primeira obra poética. Quando a mãe morre, converte-se ao catolicismo, o que tem influência na sua obra. Poeta e jornalista é escrevente de um notário e publica inúmeros textos panfletários de denúncia político-social. A sua poesia oscila entre os três grandes paradigmas literários do final do século XIX: romantismo, parnasianismo e simbolismo. De

Conheça mais sobre o autor, acesse o link Camões Instituto:



sábado, 24 de novembro de 2018


Instituto Histórico e Geográfico de São Vicente convida para evento gratuito

Neste sábado (24), a partir das 16h o renomado Grupo Hesperides de Música das Américas, liderados pela primeira pianista vicentina Rosana Civile, promove o VII e último Encontro no litoral paulista.


 Participações Especiais: 
Vitor Rodrigues (Piano)
Grupo Ybirá, formado por Thalia Izidoro Ribeiro (Flauta), Vitor Hugo Gama da Cruz (Oboé), Helena Nishi (Clarinete) e Manoela dos Santos (Fagote) 
Quarteto Caiçara, formado por Otávio Mesquita (Viola), Vinicius Mendes (Violino), Abner Souza (Violino) e Jeff Moura (Violoncelo)
Cantores líricos e alunos da Escola Municipal de Música de São Paulo, formado por Carolina Teixeira (Soprano) e Gabriel Henrich (Tenor) 


sexta-feira, 23 de novembro de 2018

Exposição Quadrinhos
No Museu da Imagem e do Som

Olá amigos, excelente sexta-feira a todos nós.
Para quem curte HQs como eu, a exposição é imperdível!
Abraços.

São Paulo sedia a maior exposição sobre HQs já montada no Brasil


São Paulo inaugura a maior retrospectiva do universo das HQs já feita no Brasil. A história dos quadrinhos e sua influência na cultura pop e em outras mídias, como o cinema e a TV, dão a tônica de “Quadrinhos”, exposição inédita que se propõe a fazer uma viagem, ao longo de seus cerca de 600 itens, nessa forma de contar histórias, tanto no Brasil como no mundo.
Tio Patinhas, Superman, Mafalda, Smurfs, Snoopy, a edição número 1 de Pato Donald ou um desenho original de Tintim. Vale a visita!

Serviço
Exposição Quadrinhos
Quando: até março de 2019
Horários: de terça a sábado, das 10h às 20h; domingos e feriados, das 9h às 18h
Local: Museu da Imagem e do Som – Avenida Europa, 158, Jardim Europa, São Paulo
Ingressos: R$7 a R$ 30 (bilheteria) ou no site:

Mais informações: (11) 2117-4777

Fonte: Casa Vogue

quinta-feira, 22 de novembro de 2018

Coluna Dicas da Língua Portuguesa
Dicas para não esquecer as mudanças do Novo Acordo Ortográfico

Olá, excelente quinta-feira a todos nós.
Na coluna Dicas da Língua Portuguesa, alguns exemplos para não esquecer as mudanças do Novo Acordo Ortográfico.
Semana que vem tem mais! Abraços.

-Não se acentua palavras paroxítonas com ditongos abertos: ei, oi. Exemplos: assembleia, ideia, heroico.

-Toda vez que uma palavra seguida por prefixo começar com H, separa-se com hífen. Exemplos: pré-história, anti-higiênico,
super-herói.



-Se as palavras terminarem e começarem com letras iguais, separa-se com hífen. Se as letras forem diferentes, junta-se.
Exemplos: anti-inflamatório, micro-ondas, neoliberalismo, superinteressante.

-Os prefixos “ex, pós, pré, pró, vice, sem, além, aquém e recém” sempre serão acompanhados de hífen. Exemplos:
ex-aluno, pós-graduação, pré-vestibular, pró-europeu,
recém-casado, sem-terra, vice-presidente, além-túmulo,
aquém-mar.

-Depois dos prefixos “co, re e pre” não se usa o hífen.
Exemplos: coordenador, reescrever, preestabelecer.  

terça-feira, 20 de novembro de 2018


Exposição “Isso é coisa de preto: 130 anos da abolição da escravidão”

A mostra pode ser conferida até dia 31 de dezembro, no Museu Afro Brasil.

 Jargão racista e ainda muito comum no Brasil, "isso é coisa de preto" ganha novo significado nessa exposição. Sob curadoria de Emanoel Carneiro, destaca a excelência e resistência negra nas mais diversas áreas do conhecimento durante os últimos 130 anos após a abolição da escravidão no Brasil, da arquitetura ao idioma, passando pela literatura, costumes, artes plásticas e dança.


E nem mesmo o esporte fica de fora. Homenageando o talento e a resistência negra também nos campos de futebol, integram o time dos jogadores retratados alguns dos principais responsáveis pelas três primeiras conquistas mundiais do Brasil, como os craques Pelé, Djalma Santos, Garrincha, Coutinho, Jairzinho, Barbosa, Zózimo e Fausto.
O público trava ainda contato com a produção artística de dois países de população predominantemente negra: Haiti e Cuba. Há, sobretudo, obras provenientes do sincretismo religioso nessas regiões, resultantes da união entre a prática de cultos do vodu e da religião católica.

Serviço
Exposição “Isso é coisa de preto: 130 anos da abolição da escravidão”
Quando: até 31 de dezembro – de terça a domingo, das 10h às 17h
Local: Museu Afro Brasil (Sul) - Avenida Pedro Álvares Cabral, s/nº - Portão 10, Ibirapuera, São Paulo
Ingresso: R$ 6
Mais informações: (11) 5579-0593  

segunda-feira, 19 de novembro de 2018


Cantinho da Poesia
Especial dedicado ao Dia da Consciência Negra

Olá, bom início de semana a todos nós.
A coluna Cantinho da Poesia é especial e dedicado ao Dia da Consciência Negra nesta terça-feira, dia 20 de novembro.
Pesquisei alguns sites para trazer uma poesia à data e gostei muito do Demonstre – Atividades para Professores (link ao término da postagem).

Me gritaram negra
Victoria Santa Cruz

Tinha sete anos apenas,
apenas sete anos,
Que sete anos!
Não chegava nem a cinco!
De repente umas vozes na rua
me gritaram Negra!
Negra! Negra! Negra! Negra! Negra! Negra! Negra!
“Por acaso sou negra?” – me disse
SIM!
“Que coisa é ser negra?”
Negra!
E eu não sabia a triste verdade que aquilo escondia.
Negra!
E me senti negra,
Negra!
Como eles diziam
Negra!
E retrocedi
Negra!
Como eles queriam
Negra!
E odiei meus cabelos e meus lábios grossos
e mirei apenada minha carne tostada
E retrocedi
Negra!
E retrocedi…
Negra! Negra! Negra! Negra!
Negra! Negra! Negra!
Negra! Negra! Negra! Negra!
Negra! Negra! Negra! Negra!
E passava o tempo,
e sempre amargurada
Continuava levando nas minhas costas
minha pesada carga
E como pesava!…
Alisei o cabelo,
Passei pó na cara,
e entre minhas entranhas sempre ressoava a mesma palavra

Negra! Negra! Negra! Negra!
Negra! Negra! Negra!
Até que um dia que retrocedia, retrocedia e que ia cair
Negra! Negra! Negra! Negra!
Negra! Negra! Negra! Negra!
Negra! Negra! Negra! Negra!
Negra! Negra! Negra!
E daí? E daí?
Negra!
Sim
Negra!
Sou
Negra! Negra! Negra!
Negra sou
Negra!
Sim
Negra!
Sou
Negra! Negra! Negra!
Negra sou
De hoje em diante não quero alisar meu cabelo
Não quero
E vou rir daqueles, que por evitar – segundo eles –
que por evitar-nos algum dissabor
Chamam aos negros de gente de cor
E de que cor!
Negra!
E como soa lindo!
Negro!
E que ritmo tem!
Negro! Negro! Negro! Negro!
Negro! Negro! Negro! Negro!
Negro! Negro! Negro! Negro!
Negro! Negro! Negro!
Afinal
Afinal compreendi
Afinal
Já não retrocedo
Afinal
E avanço segura
Afinal
Avanço e espero
Afinal
E bendigo aos céus porque quis Deus
que negro azeviche fosse minha cor
E já compreendi
Afinal,
Já tenho a chave!
Negro! Negro! Negro! Negro!
Negro! Negro! Negro! Negro!
Negro! Negro! Negro! Negro!
Negro, Negro
Negra sou!


Acesse o site e conheça outros poemas:

Victoria Santa Cruz

A poeta Victoria Eugenia Santa Cruz Gamarra é uma expoente da arte peruana; compositora, coreógrafa e desenhista, com destaque na arte afro-peruano e no combate ao racismo nos anos 60 a 70. Ela participou, em 1958 (com seu irmão, o famoso poeta Nicomedes Santa Cruz), no grupo Cumanana.



Estudou em Paris, na Universidade do Teatro das Nações (1961) e na Escola Superior de Estudos Coreográficos. Ao voltar a Lima fundou a companhia Teatro e Danças Negras do Peru, que se apresentou em inúmeros teatros e na televisão. Este grupo representou o Peru nas comemorações dos Jogos Olímpicos do México (1968), sendo premiada por seu trabalho. Em 1969 realizou turnês pelos EUA; quando voltou a Lima foi nomeada diretora do Centro de Arte Folclórica, hoje Escola de Folclore. No primeiro Festival e Seminário Latino-americano de Televisão, organizado pela Universidade Católica do Chile em 1970, venceu como a melhor folclorista. Foi diretora do Instituto Nacional de Cultura (1973 a 1982). 
Seu poema Me Gritaron Negra é uma bandeira na luta contra o racismo. Ele relata aquilo que todo negro já viveu, e o faz interiorizar uma autoimagem que nega sua autoestima, mas, num crescente, a palavra “negra”, que começa como insulto, se transforma em afirmação valorosa da identidade e da humanidade negra.  

domingo, 18 de novembro de 2018


42ª Mostra Internacional de Cinema

Como parte da programação da 42ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, o CineSesc inaugurou seu mais novo anexo com a instalação Chalkroom, criada por Laurie Anderson (EUA, 1947). A artista experimental multimídia colaborou nessa obra com o artista taiwanês Hsin-Chien Huang (Taiwan, 1966), um dos nomes mais proeminentes da vanguarda tecnológica nas artes visuais e no cinema. Após o trabalho ganhar o prêmio de melhor experiência em realidade virtual, no 74º Festival de Cinema de Veneza, em 2017, o público agora tem a chance de vê-lo em São Paulo.



Chalkroom é uma obra interdisciplinar em realidade virtual, na qual é possível vagar através de enormes estruturas feitas de palavras, desenhos, histórias, poeira e sombras, em uma galeria composta por vários corredores, rampas e edificações escuras cujas paredes pretas estão cobertas por inscrições em giz branco. Uma vez imerso, o espectador está livre para perambular pelos ambientes.
Nessa jornada onírica e solitária por histórias e fragmentos de linguagens, a voz ecoante da também cantora, letrista e compositora Laurie Anderson traz questionamentos e provocações. Junto ao desenho sonoro, sua fala acolhe o espectador, sem pautar a experiência ou induzir qualquer tipo de ação. A proposta é deslumbrar-se visualmente e cognitivamente, sem necessariamente ter de fazer algo determinado lá dentro.
Há, portanto, um sentido permanente de liberdade permeando o trabalho da artista. Os espaços do novo anexo do CineSesc — unidade da rede Sesc São Paulo desde 1979, localizada na famosa Rua Augusta, a duas quadras da Avenida Paulista — foram envelopados com a arte da instalação, e uma das paredes foi transformada em uma grande lousa para que os visitantes possam desenhar, no mundo físico, após experimentar a obra virtual. Portanto, durante três meses, o público local terá a possibilidade de conhecer o trabalho desenvolvido por Laurie Anderson e Hsin-Chien Huang.

Serviço
Chalkroom
Quando: até dia 16/12 – das 14h30 às 21h30
Local: Sesc CineSesc – Rua Augusta,2075, Cerqueira César, São Paulo
Mais informações: (11) 3087-500/3087-0501
Entrada gratuita



Confira a programação da 42ª Mostra Internacional de Cinema, acesse o site:

sábado, 17 de novembro de 2018

Pedido de Casamento no Sesc Santos

Olá, segue dica cultural que acontece no Sesc Santos, com ingressos entre R$6 a R$20.
Abraços.

Hoje e amanhã, sempre às 20 horas, tem apresentação da peça Pedido de Casamento, com a Cia. do Estômago, no Sesc Santos.
A peça (um ato) foi escrita por Anton Tchekov em 1889, uma farsa que satiriza o casamento das classes privilegiadas da sociedade do século XIX.
Conta a história de Ivan Vassílievitch, um hipocondríaco de 35 anos que decide pedir a mão de Natalia Stepanovna. A partir daí, surgem cenas hilariantes, retratando pequenas situações banais que esbarram na violência e chegando mesmo a se transformarem em tragédias individuais no microcosmo do autor. Tudo facilmente reconhecível e oportuno para os dias de hoje. Ou seja, através da farsa, é exposto o ridículo da violência e da intolerância.

Autor: Anton Tchekov - Direção: Neyde Veneziano
Elenco: André Mendes, Anne Pelucci, Giba Freitas e Lindsay Castro Lima
Músico: Denis Antunes
Figurinos: André Mendes
Iluminação: Giba Freitas
Produção: Mariana Mantovani


Serviço
Pedido de Casamento da Cia. do Estômago
Quando: dias 16 e 17/11 – às 20 horas
Local: Sesc Santos – Rua Conselheiro Ribas, 136, Aparecida
Ingressos: venda online no portal e nas bilheterias do Sesc
Valor: R$ 20 (inteira), R$ 10 (meia) e R$ 6 (credencial plena)
Não recomendado para menores de 12 anos
Mais informações: (13) 3278-9800