domingo, 30 de setembro de 2018

Setembro Amarelo
A campanha é para sempre!

Olá amigos, bom dia.
Neste último dia do mês de setembro e último dia da Campanha Setembro Amarelo, disponibilizo importante recomendação, pois o mês termina, mas a campanha e a atenção são para sempre!
Sou grande apoiadora desta importante Campanha de Valorização à Vida.
Agradeço à amiga jornalista e psicóloga Deborah Monteiro por sua participação.
Mais informações:


Assista ao vídeo:
Setembro Amarelo - Padre Fábio de Melo conta sobre como lidou com isso e dá sugestões de como podemos ajudar o outro. Independente da sua crença e da sua religião é bom pararmos para ouvir quem já passou por isso. 


Tarrafa Literária
Aos que não entraram ontem em minha página, para este final de semana, vejam a postagem de sábado sobre a Tarrafa Literária, que prossegue até dia 1º de outubro.
Obrigada, abraços e até amanhã.
Míriam

sábado, 29 de setembro de 2018


Tarrafa Literária 2018
Evento literário completa 10 anos

Olá amigos, bom dia.
O maior festival de literatura do Estado de São Paulo completa dez anos. Com programação gratuita, o evento prossegue até dia 1º de outubro, confira:

A Tarrafa Literária, em dez anos de história, se consolidou como um dos mais importantes festivais literários do Brasil. Destaca-se por ser um evento gratuito, que pretende aproximar escritores e leitores, em encontros descontraídos e divertidos, com o sabor de Santos, a cidade inovadora que se torna capital das letras nos dias de Tarrafa.
O Show Lítero Musical: Copacabana – A Trajetória do Samba-Canção, com Zuza Homem de Mello, realizado na quinta, dia 26, no Sesc Santos, marcou a abertura da 10ª edição da Tarrafa Literária, o maior festival de literatura do Estado de São Paulo.
O evento prossegue até domingo (30), no Teatro Guarany.
No dia 1º de outubro, último dia do festival, as atividades acontecem na Livraria da Vila, em São Paulo.


 Acompanhe a programação e participe!

Serviço:
Tarrafa Literária 2018 - entrada gratuita
Quando: de 26 a 30/09 
Local: Teatro Guarany – Praça dos Andradas, 100, Centro, Santos - Chegar com 30 minutos de antecedência na portaria do teatro Guarany
Quando: dia 1º de outubro- das 19h às 20h30
Local: Livraria da Vila – Rua Fradique Coutinho, 915, Pinheiros, São Paulo – telefone (11) 3814-5811

Mais informações: (13) 3289-4935

sexta-feira, 28 de setembro de 2018

Dicas culturais para o final de semana

Acompanhe as atividades gratuitas que acontecem entre os dias 28 e 29/09:

PASSAGEM DAS HORAS
Cia Tevia (vida cotidiana, 55 minutos)
Sexta-feira, dia 28/09, às 20h, no SESI Santos

A produção e encenação é inspirada no poema Passagem das Horas de Fernando Pessoa, por meio de seu heterônimo Álvaro de Campos.
O espetáculo conta a história de duas mulheres, Maria e Helena, uma representa a tradicional dona de casa e a outra não. O tempo não é linear, o que permite uma viagem ao presente, futuro e passado das personagens. Ambas em seus dramas particulares vão se aproximando lentamente, separadas e unidas pelo mundo contemporâneo e poético.
O poema de Álvaro de Campos revela ao final de cada cena o status de verdade e autodescrição das mulheres, diferentes entre si, mas iguais em suas dores existenciais.

Gênero: Tragicomédia
Duração: 55 minutos
Diálogos intrapessoais, poesia, humor negro
Relações Humanas
Classificação: Maiores de 14 anos
Direção e Dramaturgia: Rejane Bar
Assistência de Direção: Cláudia Alvarez
Elenco: Daiane Fercine e Rejane Bar
Sonoplastia: Tcheska Ferreira
Iluminação: Cláudia Alvarez
Cenografia e figurino: Tcheska Ferreira
Mídias Sociais: Douglas Lourenço e Juliana Fernandes
Fotografia: Marcus Vinicius/ Felipe Venceslau

PLAYMOHITS ROCK 80
Bem-vindo aos anos 80! (popular, 100 minutos)
Sábado, dia 29/09, às 20h, no SESI Santos

Em apresentação com muito rock, o grupo relembra canções e estilos que marcaram a época. A década de 80 foi muito alegre e carismática, com muita música, filmes, cabelos e roupas extravagantes.
A Playmohits Rock 80 é a prova viva que os anos 1980 estão com tudo! Nascida em Rio Claro, São Paulo, a banda conta com músicos de alto padrão e apresenta show profissional e divertido, com perucas e figurinos característicos da época, tocando os grandes clássicos dessa geração!
Banda: vocal: João Rodrigo; baixo: Newton Júnior; guitarra: Gustavo Gazena; bateria: Angelo Giacomini e guitarra: Foca Silva.

Serviço:
Ambas atividades acontecem no teatro do SESI Santos – Av. Nossa Senhora de Fátima, 366, Jardim Santa Maria
Ingressos gratuitos: reserva pelo Meu SESI:
Mais informações: (13) 3209-8210  

quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Dicas da Língua Portuguesa
Conteúdos sobre Educação

Olá amigos, excelente quinta-feira a todos nós.
Para a coluna Dicas da Língua Portuguesa de hoje, destaco site interessante que traz notícias e divulgações relacionadas a cursos, palestras, jornadas, congressos e todo tipo de evento educativo que acontece na Baixada Santista.
O site tem parceria com o blog Eu Estudo Certo feito por Martha Vergine, em A Tribuna On-Line.
Segundo a jornalista e assessora de imprensa da Unimes, Natasha Guerrize, idealizadora do projeto, trata-se de um site cuja intenção é auxiliar estudantes de todos os níveis escolares, professores e profissionais da região a ficarem por dentro do que ocorre sobre ensino. “Seja para se capacitar, se aperfeiçoar e até conquistar mais horas de atividades complementares”, explica Guerrize.

Acompanhe o site:



quarta-feira, 26 de setembro de 2018


Exposição idealizada na Polônia 
no Sesc Pinheiros

Olá, tudo bem?
Vejam que exposição legal acontece no Sesc Pinheiros, em São Paulo até dia 28 de setembro, acho que vale a pena.
Abraços, até amanhã com a coluna Dicas da Língua Portuguesa.


Para os bons apreciadores das artes, entre as diversas atividades do Sesc, que tal aproveitar mostra gratuita?
Até 28 de setembro você poderá aproveitar, no Sesc Pinheiros, em São Paulo, a exposição “O Outro Trans-Atlântico - Arte Ótica e Cinética no Leste Europeu e na América Latina”.
Original da Polônia, com curadoria da polonesa Marta Dziewanska, pesquisadora e curadora do Museu de Arte Moderna de Varsóvia, em conjunto com Dieter Roelstraete e Abigail Winograd, a mostra examina um breve momento, embora historicamente significativo, na era pós-guerra, quando artistas da Europa Oriental e América Latina compartilharam seu entusiasmo por Arte Cinética e Op Art. São cerca de 100 obras, de mais de 30 artistas.


Serviço:
O Outro Trans-Atlântico - Arte Ótica e Cinética no Leste Europeu e na América Latina
Quando: até dia 28/09
Local: Sesc Pinheiros – Rua Paes Leme, 195, São Paulo
Horário: das 10h30 às 21h30
Mais informações: 55 11 3095-9400 

terça-feira, 25 de setembro de 2018


Começou a 33ª Bienal de São Paulo

Considerado um dos eventos de arte contemporânea mais antigos do mundo, a Bienal de São Paulo chega a sua 33ª edição com uma proposta inovadora acerca do tema “Afinidades Afetivas”, inspirado no romance “Afinidades Eletivas” (1809), do escritor alemão Johann Wolfgang von Goethe, e na tese “Da natureza afetiva da forma na obra de arte” (1949), do pernambucano Mário Pedrosa.
Convidados pelo curador geral Gabriel Pérez-Barreiro, sete artistas – entre eles a brasileira Sofia Borges – foram chamados criar mostras coletivas a partir de trabalhos próprios e de outros artistas com os quais eles se identificam artística e culturalmente.
A bienal conta com apoio institucional da Sabesp.


Serviço:
33ª Bienal de São Paulo
Quando: até dia 9 de dezembro – entrada gratuita
Local: Portão 3 do Pavilhão Ciccillo Matarazzo, Parque Ibirapuera, em São Paulo
Horários: terças, quartas, sextas e domingos, das 9h às 19h; quintas e sábados, das 9h às 22h
Mais informações: 55 11 5576-7637

segunda-feira, 24 de setembro de 2018


Primavera, poesia e pólen
Poema de Tânia Fusco

Bom dia, um pouco da poesia de Tânia Fusco, jornalista que reflete o momento do país em meio à beleza da estação do ano mais florida.
Espero que possam apreciar, abraços,


Quando vier a Primavera,
Se eu já estiver morto,
As flores florirão da mesma maneira
E as árvores não serão menos verdes que na Primavera passada.

A realidade não precisa de mim
.
Deveria ser obrigatório ler poesia. Ainda que fosse uma por dia. E nesse menu não poderia faltar Fernando Pessoa – ele próprio e todos os seus heterônimos, em prosa, inclusive.
Deveria ser obrigatório ler poesia na primavera, no verão, no inverno, no outono. Qualquer que fosse a estação. De esperança ou pânico. Ou medo.

Deveria ser obrigatório começar o dia lendo poesia, antes das notícias, antes de responder o primeiro zap do dia, de abrir o face, de esbarrar com a primeira maldade dita e assinada por um desses que, numa penada, podem mudar coisas na vida de todos - dos tolos e dos nem tanto. 

Fosse a poesia obrigatória, quem sabe, teríamos menos tolos a aprovar maldades, desgraceiras e descasos como se só bobagens ou tolices fossem.  Não são. Nem bobagens, nem tolices. São direções e caminhos que a próxima primavera, talvez – e tomara! – faça entender.

Pelo andar da carruagem – que ganha mais cavalos e perde eixos e rodas -, na próxima primavera pode faltar espaço para a poesia.
Diz-se que nem vamos mais lamentar a não obrigatoriedade da poesia. Mas a falta dela.


Frotas pedem essas mudanças. Há a convicção que não é preciso de provas.  Notas, só as oficiais. Sem perguntas.
Aulas de inglês, matemática e português – sem poesia - serão ministradas com gráficos em PowerPoint básico – bolinhas com setas convergindo para uma bolona no centro das convicções.

Estima-se que, para evitar surpresas, o ministro chefe, de véspera, avisará: podem ficar sossegados, amanhã tem mais... convicções.  Para bom entendedor, linha direta. Facilita. Simplifica.

Esqueça, então, a filosofia e as artes. Exercícios só em corridas de fuga da polícia. Há estudos que, sem treinos prévios, ficará mais fácil alcançar e prender rebeldes.

Diz-se também que, além da poesia e assemelhados, humor e humoristas serão banidos. Mas tudo isso pode ser revisto e desmentido, amanhã, em notas oficiais.
O pólen da primavera sempre mexe com a imaginação. Também provoca espirros, coceiras, insônia. Costuma desencadear alergias.

E, se até a belezura da floração tem efeitos colaterais, imagine que desacertos podem causar os golpes de vento? Melhor evitá-los.

Primaveras são sempre lindas. E o pólen não é do mal. Faz a polinização, que é  quando os mais variados animaizinhos pousam nas flores e levam para outras os minúsculos grãos de pólen. Espalhado, o pólen faz a germinação de novas vidas.
Simples. Eterno.

Deveria mesmo – e enquanto há tempo – ser obrigatório ler poesia. São curativas. Aliviam dores, minimizam perplexidades – essas que, se não houvesse Fernando Pessoa/Alberto Caeiro, invernizariam até as primaveras.

Tânia Fusco é jornalista, mineira, observadora, curiosa, risonha e palpiteira, mãe de três filhos, avó de dois netos. Vive em Brasília. Às terças escreve sobre comportamentos e coisinhas do cotidiano – relevantes ou nem tanto.

domingo, 23 de setembro de 2018


Conto Nevoeiro

Olá, excelente domingo a todos nós.
O conto Nevoeiro foi o destinado ao mês de setembro para a Revista Conexão Literatura, espero que gostem. Abraços.

         Um barco à deriva, a costa encoberta e o nevoeiro. “Bip”, “bip” e “bip”. 
         Um grito ecoando no nada, um barco perdido no nevoeiro. “Bip”, “bip” e “bip”.
         Esse barulho infernal me acordou! Não consigo distinguir que som é esse, mas é alto e entrou direto em meus ouvidos!
         ...
         Tudo cessou. Nada de som nem de bip, nenhum ruído. Sinto calmaria e escuridão. É como se minhas forças estivessem terminando numa sensação de leveza do corpo e a cabeça também leve de culpas, pesadelos e pensamentos. Mas algo interrompeu este processo, é como se uma manivela girasse uma imensa roda, sons alternados, imagens em flashes desconexas aparecendo e desaparecendo e um imenso clarão! ...
         ...
         Pera aí! Como vim parar aqui? ...
         ...
Segunda-feira, 20 de agosto de 2018, e o denso nevoeiro deixa boa parte da costa litorânea da Baixada Santista encoberta. A solicitação é de que barcos, balsas e navios mantenham-se atracados enquanto a névoa estiver prejudicando a visibilidade. E assim permaneceu boa parte da manhã atrasando funcionários que dependem de barcas e balsas para atravessar o canal que liga Santos a Guarujá, municípios do litoral de São Paulo.
         E mesmo com toda essa precaução, o biólogo marinho Hermann Gerber, 27 anos, solteiro ignorou e resolveu colocar o pequeno barco n’água e partir para sua pesquisa na Laje de Santos. - Para situar o leitor, a Laje é uma ilha localizada em frente à cidade de Santos, fazendo parte do Parque Estadual Marinho da Laje de Santos (PEMLS), criado em 27/09/1993, através do Decreto Estadual nº 37.537. O PEMLS é o primeiro parque marinho dentre as Unidades de Conservação do Estado de São Paulo e tem como objetivo a proteção do ambiente marinho. – E Hermann, apaixonado pelo lugar, realiza constantes pesquisas para a Fundação Florestal, órgão da Secretaria do Meio Ambiente do Estado o qual é funcionário.
         Mas era um dia em que nada disso importava, pois a segurança ainda prevalece em qualquer área de atuação do ser humano.
         Ignorando a preservação de sua própria vida, o biólogo pegou seu pequeno barco a motor e partiu para a Laje.
         Quando caiu em si estava sozinho no meio do canal, era como se estivesse num vácuo onde nada se enxergava e quase nada se ouvia, nem gaivotas, apenas o barulho do motor “cortando” a água do mar. O frio do medo estalou desde a primeira vértebra até a última de sua coluna terminando num tremor que o chacoalhou por inteiro e quando se deu conta, não conseguia mais enxergar seu rumo.
Engolindo em seco Hermann tirou uma bússola dos pertences e o mar revolto sacudiu o barco e a fez cair de suas mãos. E essa situação ficou mais frequente fazendo a proa subir e bater com força no mar. Até Hermann ouvir um apito curto e depois prolongado que o fez entender um navio se aproximando, o que não deveria acontecer devido a pouca visibilidade, mas o navio, assim como ele, prudentemente, não poderia estar ali naquele momento.
Ao avistar o barco de Hermann o navio começou a apitar e a tocar o sino com frequência, pois em breve, o pequeno barco seria sugado colidindo com o navio.
Meu Deus me ajude! Gritou o jovem biólogo em desespero tentando tirar da reta seu barco. Sem enxergar a distância ele tentou desviar mesmo com probabilidade de bater num rochedo.
Pelejando contra a corrente em desespero o navio se aproximava de seu barco. E vinha rápido. Os apitos enlouqueciam a alma, torturando-a numa disputa de sobrevivência, numa luta em que o maior e mais forte sempre vence, ou quase sempre!
Suando, chorando e gritando ajuda ao Divino Hermann viu o navio chegar. Num piscar de olhos o barco foi sugado batendo lateralmente no navio. Destroçado ele sentiu sua cabeça bater forte no casco, que o fez desmaiar. A enorme onda ocasionada pela colisão, por sorte, o arremessou para longe, ficando Hermann preso entre dois rochedos. E o navio seguiu em frente. Os marinheiros e o capitão avisaram a polícia costeira pelo rádio.
Depois de algumas horas, quando a névoa já se dissipava a polícia conseguiu avistar Hermann e partiu para o resgate. O jovem estava muito machucado. Com a cabeça ensanguentada o biólogo desacordado encontrava-se com roupas rasgadas, uma das pernas com um corte de cima em baixo e os braços com várias escoriações. O grupo de resgate ficou boquiaberto como ele ainda poderia estar vivo depois do que aconteceu...
...
E, de repente, Gerber dá um suspiro e o corpo se ergue na cama. Com os olhos esbugalhados e a máquina apitando alto, o jovem consegue sair do coma.
Foram dez dias de sofrimento para a família que não aceitava aquele quadro gravíssimo em que se encontrava Hermann.
Aos poucos a memória foi voltando e a lembrança da vida no Rio Grande do Sul com a família descendente de alemães do contato com os primos e amigos e a vinda para São Paulo, da conquista da faculdade federal em Campinas e do emprego na secretaria que ele tanto lutou para conseguir foram aparecendo em sua mente.
Já com alta médica e restabelecido novamente Hermann foi aos poucos retornando à sua normalidade. Ele agradeceu a todos que estiveram com ele nos piores momentos de sua vida e especialmente pela segunda chance de vida, pois poucos conseguem retornar após brutal acidente em que a alma fica dividida entre o Céu e a Terra. 

sábado, 22 de setembro de 2018


Nosotros – Uma Revoada Latino-americana
Da Fraternal Cia. de Arte e Malas-Artes

Para quem gosta de atividades culturais gratuitas, o SESI oferece neste sábado, às 20 horas, interessante espetáculo teatral que aborda os desafios enfrentados por imigrantes latino-americanos.

Uma trupe de saltimbancos, conduzidos por uma revoada humana formada por imigrantes, narram a história de Juanito: um típico andino que sai de seu local de origem para tentar uma vida melhor numa terra sem mal chamada Nosotros.
Uma história permeada por desafios, comicidade, música, sonhos e angústias, daqueles que ousam se aventurar por terras desconhecidas.
O espetáculo integra o projeto Território SESI-SP de Arte e Cultura, que visa incentivar e difundir a produção artística regional.


Épico Musical, 80 minutos 
Direção: Ednaldo Freire | Dramaturgia: Alex Moletta | Cenário e Figurinos: Luiz Oliveira Santos | Músicas e Direção Musical: Gustavo Kurlat | Arranjos e Produção Musical: Vicente Falek e João Paulo Nascimento | Elenco: Aiman Hammoud, Mirtes Nogueira, Carlos Mira, Maria Siqueira, Giovana Arruda, Harley Nóbrega e Ian Noppeney | Orientador de Pesquisa: Hugo Villavicenzio | Preparação de Voz e Corpo: Verlucia Nogueira | Assistente de Cenografia e Adereços: Vânia Tosta | Cenotécnico: Edson Freire | Operador de Som: Gabriel Kavanji | Operador de Luz: Marco Vasconcellos 
  
Serviço:
Nosotros – Uma Revoada Latino-americana
Da Fraternal Cia. de Arte e Malas-Artes
Quando: neste sábado, dia 22/09, às 20h
Local: Sesi Santos – Av. Nossa Senhora de Fátima, 366, Jardim Santa Maria
Mais informações: (13) 3209-8210       
Entrada gratuita
Reservas: Meu SESI: www.sesisp.org.br/meu-sesi
Estacionamento gratuito no local


Flores para celebrar a Primavera!
Poema de Neide Andrade

Mas a primavera vai voltar
E todas as flores que esse outono levou irão chegar
Bem mais belas e cheirosas
Ah, que saudade dessas flores graciosas

Quem sabe uma dessas flores é a que eu preciso
Logo eu, um alguém tão indeciso
Não sei se quero amor, paz ou solidão
Busco sempre alguma coisa pra acalmar meu coração
E quem sabe em um acidente a felicidade chega em mim
Com paciência e esperança, eu levo a vida. Essa vida tão ruim
Mas que há de melhorar
Quando a primavera chegar.

Só espero que a prima Vera não chegue antes que a sua prima a flor da idade
Porque a primaVera vai me trazer a linda flor da felicidade
E com ela não importa se está frio, quente ou temporal
Sempre vai haver um abrigo pra mim, até no meio do vendaval.


PRIMAVERA EM 2018: 
Início da Primavera 2018 começa às 22h53 do dia 22 de setembro de 2018; e termina em 21 de dezembro de 2018.
A primavera é a estação que antecede o verão e sucede o inverno. No Hemisfério Sul, onde está localizado o Brasil, esta estação é caracterizada pelo desabrochar das flores, chuvas e pelo aquecimento da temperatura. 

sexta-feira, 21 de setembro de 2018

ShakesPirando- celebração 
às obras de Shakespeare

Excelente sexta-feira a todos nós.
Ufa, enfim, ontem foi o último dia do evento, retornando à normalidade, mas deu tudo certo e foram dias diferentes em São Paulo, faz parte do meu serviço!


Peça teatral mescla música ao vivo, acrobacias e mágica. Nesta sexta-feira (21),às 15 horas, entrada gratuita.
Os palhaços Cuíca e Batatinha encontram um livro no meio do caminho, esse objeto que parece perdido ou jogado fora serve de inspiração para essa dupla contar e encenar muitas histórias, realizar muitas brincadeiras e interagir com a plateia. Usando a linguagem do palhaço e recursos como música ao vivo, acrobacias e mágica, os dois palhaços contam um pouco sobre a vida, obra e legado de Shakespeare e mostram que o autor do Milênio, era muito popular no seu tempo e pode ser popular nos dias de hoje.
O espetáculo integra o projeto Território SESI-SP de Arte e Cultura, que visa incentivar e difundir a produção artística regional.


Comédia, 55 minutos
Elenco: Weslei Soares e João Rocha
Direção: Erike Busoni
Criação Acrobática: Fernando Correa
Cenário e Adereços: PalhAssada Atelie
Figurino: Karina Diglio
Desenhos: André Rocha
Produção: Adryela Rodrigues

Serviço:
ShakesPirando- celebração às obras de Shakespeare
Quando: sexta-feira, dia 21/09, às 15h
Local: Sesi Santos – Av. Nossa Senhora de Fátima, 366, Jardim Santa Maria
Mais informações: (13) 3209-8210
Entrada gratuita
Reservas: Meu SESI: www.sesisp.org.br/meu-sesi