quinta-feira, 5 de abril de 2018


Dicas da Língua Portuguesa – erros mais comuns no trabalho

Bom dia amigos, tenham um excelente dia.
Hoje é quinta-feira, dia da coluna Dicas da Língua Portuguesa - erros mais comuns no trabalho.
Lembrando que falar e escrever corretamente é obrigatório para se dar bem em qualquer profissão. Então, atenção aos erros de ortografia ao passar um e-mail, antes de enviar, leia e releia.
Abraços,
Míriam


“10 a 20 de março” / “10 à 20 de março”

Erro: O curso será de 10 à 20 de março.
Correto: O curso será de 10 a 20 de março.
Explicação: Observe que não há artigo combinado com a preposição de; portanto, também não haverá artigo no passo seguinte, estando correto “de tal dia a tal dia”, sem crase.

 

“Crase na indicação de páginas”

Erro: Os advogados fizeram a leitura da página 5 a 15 do acordo trabalhista.
Correto: Os advogados fizeram a leitura da página 5 à 15 do acordo trabalhista.
Explicação: A palavra “página” está implícita após o “à”, o que justifica o acento grave, que indica que há crase (fusão de “a” preposição + “a” artigo feminino.

 

“1,5 milhão” / “1,5 milhões”

Erro: Em 2016, foram gastos no país 1,5 milhões de cartuchos de impressora.
Correto: Em 2016, foram gastos no país 1,5 milhão de cartuchos de impressora.
Explicação: A unidade “milhão” só é flexionada para o plural a partir do segundo milhão, ou seja, 2 milhões. Portanto, deve-se observar o número que antecede a vírgula e lembrar que numerais como “milhão”, “bilhão” e “trilhão” devem concordar com esse número.

 

“A todos” / “À todos”

Erro: Bom dia à todos.
Correto: Bom dia a todos.
Explicação: Não há crase antes de pronomes indefinidos (muitos, poucos, nenhuma, todos, pouca, alguma).

“A partir” / “À partir”

Erro: À partir da próxima semana, não será permitida a entrada sem o crachá de identificação.
Correto: A partir da próxima semana, não será permitida a entrada sem o crachá de identificação.
Explicação: Não há crase antes de verbo.


“Pagou o engenheiro” / “Pagou ao engenheiro”

Erro: Ao término da obra, a empresa pagou o engenheiro.
Correto: Ao término da obra, a empresa pagou ao engenheiro.
Explicação: O verbo “pagar” exige dois complementos – um deles acompanhado de preposição (pessoa) e o outro sem preposição (coisa). Assim: Paguei (o serviço) ao engenheiro.

 

“Houve” / “houveram”

Erro: Houveram dois problemas.
Correto: Houve dois problemas.
Explicação: O verbo “haver” no sentido de existir não tem sujeito, por isso fica sempre na terceira pessoa do singular. “Há dez problemas”, “houve dez problemas”. Vale a mesma regra quando os verbos “haver” e “fazer” indicam tempo: “Faz dois anos que nos encontramos”.

 

“Estender” / “Extender”

Erro: A reunião se extendeu além do tempo previsto.
Correto: A reunião se estendeu além do tempo previsto.
Explicação: O correto é estender, que significa prolongar, alongar, alargar. Extender não existe.

 

“Há dois anos” / “Há dois anos atrás”

Erro: Há dois anos atrás, o contrato foi assinado.
Correto: Há dois anos, o contrato foi assinado.
Explicação: É redundante dizer “Há dois anos atrás”, pois o “Há” já dá ideia de tempo decorrido.

 

“Bastante” / “Bastantes”

Erro: Há bastante motivos para a demissão daquele colaborador.
Correta: Há bastantes motivos para a demissão daquele colaborador.
Explicação: Bastante/Bastantes é pronome indefinido e deve concordar com o substantivo a que se refere. Na dúvida, faça a substituição por “muito/muitos”. Também pode ser advérbio, mas, nesse caso, permanecerá invariável.

“Deve haver” / “Devem haver”

Erro: Devem haver muitas pessoas naquele auditório.
Correto: Deve haver muitas pessoas naquele auditório.
Explicação: O verbo haver, no sentido de existir, é impessoal, ou seja, só é usado no singular. Quando acompanhado de um verbo auxiliar, no caso, “deve”, este também se torna impessoal.

Fonte: Revista Exame
Imagem: Google

Nenhum comentário: