segunda-feira, 12 de março de 2018


Sou de Jorge Luís Borges

Bom dia amigos e excelente semana a todos nós.
Para o Cantinho da Poesia desta segunda compartilho a poesia de Jorge Luís Borges, um de meus favoritos.
Abraços, até mais,
Míriam


Sou o que sabe não ser menos vão
Que o vão observador que frente ao mudo
Vidro do espelho segue o mais agudo
Reflexo ou o corpo do irmão.
Sou, tácitos amigos, o que sabe
Que a única vingança ou o perdão
É o esquecimento. Um deus quis dar então
Ao ódio humano essa curiosa chave.
Sou o que, apesar de tão ilustres modos
De errar, não decifrou o labirinto
Singular e plural, árduo e distinto,
Do tempo, que é de um só e é de todos.
Sou o que é ninguém, o que não foi a espada
Na guerra. Um esquecimento, um eco, um nada.

Jorge Luís Borges
Jorge Francisco Isidoro Luis Borges Acevedo foi escritor, poeta, tradutor, crítico literário e ensaísta argentino. Em 1914 a sua família mudou-se para Suíça, onde estudou e de onde viajou para a Espanha.  Nascimento24 de agosto de 1899, Buenos Aires, Argentina
Falecimento14 de junho de 1986, Genebra, Suíça
CônjugeMaría Kodama (de 1986 a 1986), Elsa Helena Astete Millán (de 1967 a 1970)


Nenhum comentário: