segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

"Viva!", de Patrick Deville, no Clube de Leitura

Olá amigos, iniciamos mais uma semana e que seja de fartura de emoções, felicidade e realizações!

Clube de Leitura
Neste encontro será discutida a obra "Viva!", de Patrick Deville, publicada no Brasil em 2017 pela Editora 34.
O encontro ocorre nesta quarta-feira, dia 21, às 19 horas, na Hemeroteca da Biblioteca Mário de Andrade, no 1º andar.
A entrada é gratuita e não requer inscrição prévia. Recomenda-se a leitura prévia da obra a ser discutida, todavia não é obrigatório portar o livro e nem ter concluído a leitura no dia do encontro.



Serviço:
Clube de Leitura
Quando: quarta-feira, dia 21/02, às 19h
Local: Hemeroteca da Biblioteca Mário de Andrade – Rua da Consolação, 94, São Paulo
Mais informações: (11) 3775-0002
Entrada gratuita

Viva, de Patrick Deville
No final da década de 1930, o México converte-se em porto seguro para levas e mais levas de exilados sem nome. São russos, alemães, italianos, espanhóis, gente de muitas nacionalidades e convicções políticas, fugindo da onda totalitária que varre o Velho Mundo. Uma figura, porém, não tem como aspirar ao anonimato: ao desembarcar em Tampico, em janeiro de 1937, Léon Trótski sabe que não está a salvo, que não há maneira de desligar a máquina infernal que acabará por abatê-lo. Neste formidável "romance sem ficção", Patrick Deville faz a crônica dos três anos que restam ao revolucionário russo. Por suas páginas, desfila um cortejo de figuras que a presença de Trótski imanta e radicaliza: Diego Rivera e Frida Kahlo, Victor Serge e André Breton, David Alfaro Siqueiros e Ramón Mercader - sem falar em B. Traven, o enigmático autor de O tesouro de Sierra Madre, e sem esquecer de Malcolm Lowry, jovem escritor que chega ao México no mesmo ano, sonhando em revolucionar a prosa poética e que reservará a Trótski um papel decisivo nos momentos finais de À sombra do vulcão.
Com paixão e minúcia, Deville retraça o curso dessas "vidas paralelas" que se cruzam e se perdem no labirinto da história e da geografia, à sombra da guerra mundial que se aproxima. A cada capítulo, o giro de Viva! se acelera, as traições e as mortes se sucedem, a história vai ganhando ares de dança macabra, que a Segunda Guerra Mundial leva a uma negra apoteose. Mas Deville não quer dar a última palavra à derrota: no curso de suas vidas meteóricas, os personagens de Viva! terão lançado um facho de luz inconformista sobre este mundo - é o bastante para que sigamos seu percurso com toda atenção.

Patrick Deville
Patrick Deville nasceu em Saint-Brévin, na Bretanha, em 1957, e vive em Paris. Formado em Letras e Filosofia, viajante contumaz, partiu ainda jovem para o estrangeiro, ocupando postos de adido e professor no Golfo Pérsico, na África e em Cuba. Estreou com Cordon bleu (1987) e Longue vue (1988), seguidos de três outros romances, sempre publicados pela prestigiosa Éditions de Minuit. Em 2001, fundou em Saint-Nazaire a Maison des Écrivains Étrangers et des Traducteurs (MEET).
Em 2004, agora a bordo das Éditions du Seuil, a obra narrativa de Deville toma novo rumo com a publicação de Pura vida: Vie & mort de William Walker.  

Nenhum comentário: