sexta-feira, 28 de julho de 2017

Meu livro de Cordel, 
de Cora Coralina

O título é significativo, homenagem da autora 'a todas as estórias e poesias de Cordel'. Recebi ontem a indicação desse livro, dica de uma querida leitora que ama poesia e gostou muito deste título. Marta me enviou a dica de leitura por e-mail. E quem quiser participar, de compartilhar com os leitores, envie a sugestão para o e-mail:

Essa simplicidade anda sempre de mãos dadas com um aguçadíssimo espírito de fraternidade e uma sensibilidade aberta à vida e às novidades do mundo. Assim, a poeta tanto estende a mão a todos os perseguidos (no caso, os judeus), num gesto de solidariedade, como presta seu tributo de admiração a Pablo Neruda, poeta descoberto na velhice e que a deixou deslumbrada. 

Vários poemas do livro são autobiográficos. Como todo artista, Cora Coralina não cessa de se olhar no espelho, de se indagar, em busca do mistério de si mesma que, no fim de tudo, é o próprio mistério da vida. A segunda parte do livro é toda confessional. Cora Coralina, Quem é Você? indaga a poeta no título de um dos poemas.

Cora Coralina
Pseudônimo de Ana Lins dos Guimarães Peixoto (1889-1985), Coralina nasceu na cidade de Goiás, antiga Villa Boa de Goyaz, em 1889. Filha de Francisco de Paula Lins dos Guimarães Peixoto, desembargador nomeado por D. Pedro II, e de Jacinta Luísa do Couto Brandão, Ana nasceu e foi criada às margens do rio Vermelho. Aos 15 anos de idade, Ana, devido à repressão familiar, vira Cora, derivativo de coração. Coralina veio depois, como uma soma de sonoridade e tradução literária.


Foi poetista e contista brasileira de prestígio, tornando-se um dos marcos da nossa literatura. A autora iniciou sua carreira literária aos 14 anos com o conto Tragédia na Roça, publicado no Anuário Histórico e Geográfico do Estado de Goiás. Casou-se com o advogado Cantídio Tolentino de Figueiredo Brêtas e teve seis filhos. O casamento a afastou de Goiás por 45 anos. Ao voltar às suas origens, viúva, iniciou uma nova atividade, a de doceira. Além de fazer seus doces, nas horas vagas ou entre panelas e fogão, Aninha, como também era chamada, escreveu a maioria de seus versos. Publicou o seu primeiro livro aos 76 anos de idade e despontou na literatura brasileira como uma de suas maiores expressões na poesia moderna. Em 1982 – mesmo tendo estudado somente até o equivalente ao 2º ano do Ensino Fundamental – recebeu o título de doutora Honoris Causa pela Universidade Federal de Goiás e o Prêmio Intelectual do Ano, sendo, então, a primeira mulher a receber o troféu Juca Pato. No ano seguinte foi reconhecida como Símbolo Brasileiro do Ano Internacional da Mulher Trabalhadora pela FAO. Morreu em Goiânia, aos 95 anos, em 1985.


O livro pode ser adquirido na Amazon.com.br por R$25,20; Saraiva, R$25,20/E-book, R$21,70; Estante Virtual, por R$12,00, e Americanas.com, por R$30,23

Nenhum comentário: