quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Você sabe usar corretamente o pronome relativo “cujo”?
Coluna Dicas da Língua Portuguesa

Bom dia queridos amigos, hoje é quinta-feira e dia da coluna Dicas da Língua Portuguesa, relembrando a nossa rica escrita.
E vamos recordar de mais um exemplo que muita gente faz confusão.
Espero que a dica seja proveitosa. Abraços,
Míriam

Imagem divulgação Google
Ao construir orações, nem sempre os pronomes relativos (que, quem, qual, onde, quanto e cujo) são empregados adequadamente. Além disso, o pronome “cujo” é um dos que mais geram dúvidas na hora da escrita. Seguem explicações sobre como utilizá-lo adequadamente.

“Cujo” só é utilizado quando se indica posse, isto é, se algo pertence a alguém. A concordância em gênero e número é feita com a palavra seguinte ao “cujo”.
Exemplo:

O projeto, cujo funcionário responsável está viajando, já está pronto.
A empresa, cuja fachada foi destruída pelo fogo, será reformada em breve.

Embora comum, é errado usar artigos definidos depois do pronome.
A equipe cujo o resultado foi o melhor terá financiamento. (Uso inadequado)

Os artigos devem ser unidos ao “cujo”: cujo + o = cujo / cujo + a = cuja / cujo +os = cujos / cujo + as = cujas.
Exemplo:

A equipe cujo resultado foi o melhor terá financiamento. (Uso correto)

Cuidado também quando o verbo seguinte ao “cujo” for regido por preposição, pois ela não pode ser omitida.
Exemplos:

Aquela é a empresa a cuja diretora me refiro (quem se refere, refere-se a).
Esta é a funcionaria com cujas ideias todos concordam (quem concorda, concorda com).


Fonte: Centro de Pesquisa, Desenvolvimento e Educação Continuada

Nenhum comentário: