quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Retrato
Poesia de Cecília Meireles

Tenham um bom dia meus queridos amigos. A coluna de hoje Cantinho da Poesia é dedicada à Cecília Meireles, que nasceu e faleceu no mês de novembro e também porque a poetisa foi uma das melhores do Brasil e do mundo.
Espero que gostem.
Obrigada, abraços,
Míriam


Retrato
Eu não tinha este rosto de hoje,
Assim calmo, assim triste, assim magro,
Nem estes olhos tão vazios,
Nem o lábio amargo.
Eu não tinha estas mãos sem força,
Tão paradas e frias e mortas;
Eu não tinha este coração
Que nem se mostra.
Eu não dei por esta mudança,
Tão simples, tão certa, tão fácil:
- Em que espelho ficou perdida
a minha face?

(Obra poética, Volume 4, Biblioteca luso-brasileira: Série brasileira. Companhia J. Aguilar Editora, 1958, p. 10)

Cecília Meireles
Tendo feito aos 9 anos sua primeira poesia, estreou em 1919 com o livro de poemas Espectros, escrito aos 16 e recebido com louvor por João Ribeiro.
Cecília era natural do Rio de Janeiro, nasceu no dia 07/11/1901 e faleceu em 09/11/1964

Poesias:
Criança, meu amor, 1923
Nunca mais... e Poemas dos Poemas, 1923
Criança meu amor..., 1924
Baladas para El-Rei, 1925
O Espírito Vitorioso, 1929 (ensaio - Portugal)
Saudação à menina de Portugal, 1930
Batuque, Samba e Macumba, 1935 (ensaio - Portugal)
A Festa das Letras, 1937
Viagem, 1939
Vaga Música, 1942
Mar Absoluto, 1945
Rute e Alberto, 1945
Rui — Pequena História de uma Grande Vida, 1949 (biografia de Rui Barbosa para crianças)
Retrato Natural, 1949
Problemas de Literatura Infantil, 1950
Amor em Leonoreta, 1952
Doze Noturnos de Holanda & O Aeronauta, 1952
Romanceiro da Inconfidência, 1953
Batuque, 1953
Pequeno Oratório de Santa Clara, 1955
Pistóia, Cemitério Militar Brasileiro, 1955
Panorama Folclórico de Açores, 1955
Canções, 1956
Giroflê, Giroflá, 1956
Romance de Santa Cecília, 1957
A Bíblia na Literatura Brasileira, 1957
A Rosa, 1957
Obra Poética,1958
Metal Rosicler, 1960
Poemas Escritos na Índia, 1961
Poemas de Israel, 1963
Antologia Poética, 1963
Solombra, 1963
Ou Isto ou Aquilo, 1964
Escolha o Seu Sonho, 1964
Crônica Trovada da Cidade de Sam Sebastiam no Quarto Centenário da sua Fundação Pelo Capitam-Mor  Estácio de Saa, 1965
O Menino Atrasado, 1966
Poésie (versão para o francês de Gisele Slensinger Tydel), 1967
Antologia Poética, 1968
Poemas italianos, 1968
Poesias (Ou isto ou aquilo & inéditos), 1969
Flor de Poemas, 1972
Poesias completas, 1973
Elegias, 1974
Flores e Canções, 1979
Poesia Completa, 1994
Obra em Prosa - 6 Volumes - Rio de Janeiro, 1998
Canção da Tarde no Campo, 2001
Episódio humano, 2007 

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Prêmio Kundle de Literatura

Bom dia meus amigos, iniciamos mais uma semana.
Interessados em participar do Prêmio Kindle de Literatura devem inscrever-se até dia 30/11.
Mais informações:


        
Abraços, até amanhã,

Míriam

domingo, 27 de novembro de 2016

1ª Edição da Feira Ibérica

Bom dia meus amigos, vamos a mais um domingão.  
A dica de lazer de hoje é diferente e busca proporcionar experiências com várias atividades que nos aproximam da Espanha e Portugal.
Espero que vocês apreciem.
Abraços, até amanhã,
Míriam



















As atividades (workshop, música, dança e comidas típicas) que acontecem hoje no espaço Mixcelânia, em São Paulo, com preços acessíveis visam intercâmbio com a cultura espanhola e portuguesa.
A infraestrutura foi planejada seguindo as tradições das feiras de rua que acontecem nos dois países. Para enriquecer ainda mais o domingo, a fadista Adélia Pedrosa encantará a todos com suas canções que emocionaram o mundo, e durante o intervalo apresentações de dança flamenca e a Banda Eletro Soul agitará os convidados com músicas brasileiras.

Serviço
1ª Feira Ibérica na Mixcelânia
Onde: Rua Morato Coelho, 972, Pinheiros, São Paulo

Quando: dia 27/11, das 12h às 20h

sábado, 26 de novembro de 2016

Exposição fotográfica “Olhares em Foco”
Entrada gratuita, de terça a sábado

Bom dia meus amigos, vamos a mais um sabadão aqui na Baixada Santista, e espero que o dia seja de sol.
Vejam só que exposição legal e com entrada gratuita acontece no Centro Histórico de Santos.
Abraços, até amanhã,
Míriam

“Olhares em Foco”
O Palácio Saturnino de Brito recebe até 30 de janeiro a exposição fotográfica “Olhares em Foco”. A mostra retrata em 40 imagens do cotidiano regional, cenas capturadas no exterior, além de fotos do interior do Reservatório-Túnel Santa Tereza/Voturuá – maior da América Latina cravado na rocha, que este ano completou 35 anos.
O fotógrafo responsável pela seleção é Roberto Konda, que se dedica há quatro décadas à fotografia e à formação de novos profissionais e amantes desta arte.
“Olhares em Foco” abrange a produção fotográfica de 25 alunos de Konda, assim como do próprio professor, durante 2016. A exposição ficará até 30 de janeiro e durante esse período haverá arrecadação de alimentos não perecíveis, destinados ao Centro Integrado de Assistência a Pessoas com Câncer (CENIN).
Além da mostra, o visitante pode conferir o acervo Saturnino de Brito, que contém móveis, plantas, fotografias e utensílios utilizados por um dos maiores engenheiros sanitários do Brasil, Francisco Rodrigues Saturnino de Brito, vale a pena.

Serviço:
Exposição fotográfica “Olhares em Foco”
Quando: até dia 30/01
Local: Acervo Saturnino de Brito: Avenida São Francisco, 128, Centro, Santos
Horário de funcionamento: de terça a sábado, das 11h às 17h, com entrada gratuita e guia bilíngue que acompanha a visita ao acervo  

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Mostra de clássicos do cinema mexicano
Entrada gratuita, até dia 30

Olá meus amigos, tenham uma excelente sexta-feira, ufa, até que enfim chegou.
Vejam que legal a mostra do cinema mexicano que acontece até dia 30/11, com entrada gratuita, no Centro Cultural São Paulo (Rua Vergueiro, 1000, Paraíso, São Paulo).
A mostra apresenta uma seleção de clássicos do cinema mexicano cujo auge na matriz americana aconteceu entre 1940 e 1955.
Os clássicos podem ser conferidos nas salas, Lima Barreto e Paulo Emilio Salles Gomes (99 lugares).
Com entrada gratuita, a bilheteria abre duas horas antes do início da apresentação para a retirada de ingressos, que não estão disponíveis pela internet - cada pessoa poderá retirar até dois ingressos.

Mais sobre o evento e programação dos filmes:


quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Atrás, trás e traz
Coluna Dicas da Língua Portuguesa

Olá muito bom dia a todos vocês queridos amigos.
Hoje é quinta-feira e dia da coluna Dicas da Língua Portuguesa com dicas simples sobre as diferenças entre atrás, trás e traz.
Espero que gostem, abraços,
Míriam

Talvez seja óbvio para muitos que essas três palavras sejam escritas assim. Mas, é fato: são vítimas de muitas confusões.
Às vezes, o “z” do “traz” permuta com o “s” do “atrás”, ou “trás” é indevidamente usado como se fosse uma legítima conjugação do verbo “trazer”.
Para não confundir mais:
 “Atrás” é grafado com “s”. É um advérbio de lugar.

Ele estava atrás de mim quando tudo aconteceu.
O ponto de ônibus fica atrás do shopping.

“Traz”, do verbo “trazer”, conjugado na terceira pessoa do singular, é escrito com “z”.

O autor traz para o seu romance a questão da seca.
Ele sempre traz flores quando vem me ver.

“Trás” (com “s” e acento) significa “na parte posterior” e é sempre precedido por preposição.

Ele estava por trás disso tudo desde o começo.
Ande mais depressa, senão ficará para trás.


Resumindo: os advérbios terminam com “s”. O verbo conjugado é o único que termina com “z”. “Atráz” (com “z”) não existe.

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Poesia de Maya Angelou
Ainda Assim Eu Me Levanto

Olá pessoal, graças a Deus hoje já é quarta-feira!
O Cantinho da Poesia de hoje é dedicado à Maya Angelou, poetisa e escritora norte-americana que lutou arduamente contra o racismo e aproveito as comemorações ao dia 20 da Consciência Negra para homenagear a data com esta bela poesia e espero que gostem.
Abraços,
Míriam


 Ainda Assim Eu Me Levanto – (“Still I Rise”)

Você pode me inscrever na História
Com as mentiras amargas que contar,
Você pode me arrastar no pó
Mas ainda assim, como o pó, eu vou me levantar.
Minha elegância o perturba?
Por que você afunda no pesar?
Porque eu ando como se eu tivesse poços de petróleo
Jorrando em minha sala de estar.
Assim como lua e o sol,
Com a certeza das ondas do mar
Como se ergue a esperança
Ainda assim, vou me levantar
Você queria me ver abatida?
Cabeça baixa, olhar caído?
Ombros curvados com lágrimas
Com a alma a gritar enfraquecida?
Minha altivez o ofende?
Não leve isso tão a mal,
Porque eu rio como se eu tivesse
Minas de ouro no meu quintal.
Você pode me fuzilar com suas palavras,
E me cortar com o seu olhar
Você pode me matar com o seu ódio,
Mas assim, como o ar, eu vou me levantar
A minha sensualidade o aborrece?
E você, surpreso, se admira,
Ao me ver dançar como se tivesse,
Diamantes na altura da virilha?
Das chochas dessa História escandalosa
Eu me levanto
Acima de um passado que está enraizado na dor
Eu me levanto
Eu sou um oceano negro, vasto e irriquieto,
Indo e vindo contra as marés, eu me levanto.
Deixando para trás noites de terror e medo
Eu me levanto
Em uma madrugada que é maravilhosamente clara
Eu me levanto
Trazendo os dons que meus ancestrais deram,
Eu sou o sonho e as esperanças dos escravos.
Eu me levanto
Eu me levanto
Eu me levanto!

Maya Angelou
Marguerite Ann Johnson nasceu em Saint Louis, Missouri, em 4 de abril de 1928, falecendo em Winston-Salem, Carolina do Norte, no dia 28 de maio de 2014  e foi  escritora e poeta dos Estados Unidos.
Passou a infância na Califórnia, Arkansas, e Saint Louis, e viveu com a avó paterna, Annie Henderson, na maior parte de sua infância. Quando tinha 8 anos, ela foi estuprada pelo namorado da mãe, e isto levou anos de mudez para Maya que finalmente superou com a ajuda de uma vizinha atenciosa, e um grande amor pela literatura.
Aos 17, Maya se tornou a primeira motorista negra de ônibus em São Francisco e tornou-se mãe solteira ao dar à luz seu primeiro filho, em uma época em que isso não era comum; em anos posteriores, ela se tornou a primeira mulher negra roteirista e diretora em Hollywood.
Na década de 50 - quando surgiu com o pseudônimo "Maya Angelou" - ela se afirmou como atriz, cantora e dançarina em várias montagens teatrais que percorreram o país, tais como: Porgy and Bess, Calypso Heatwave, The Blacks e Cabaret for Freedom; Nos anos 60 ela era amiga de Martin Luther King Júnior e  trabalhou durante anos para o movimento de direitos civis. 

Poesias
-Maya Angelou, reciting her poem, "On the Pulse of Morning", at President Bill Clinton's inauguration in 1993;
-Just Give Me a Cool Drink of Water 'fore I Diiie (1971). New York: Random House;
-I Rise (1978). New York: Random House;
- Shaker, Why Don't You Sing? (1983). New York: Random House;
- Poems (1986). New York: Random House.

Conheça mais sobre a vida e obra da poetisa, acesse:
https://pt.wikipedia.org/wiki/Maya_Angelou

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Caixa de Cultura
Entrevista com o escritor Ilan Brenman

Muito bom dia a todos nós!
Recebi o convite para participar da Caixa da Cultura evento promovido pelo SESI Santos.
Trata-se do Encontro de Agentes de Leitura com a presença do escritor infanto-juvenil Ilan Brenman que contará sua trajetória de sucesso e como ocorre o seu processo criativo.
Após a palestra será oferecido coffee break.
A atividade cultural gratuita acontece nesta quinta-feira, dia 24, das 13h30 às 17h no SESI Santos: Avenida Nossa Senhora de Fátima, 366, Jardim Santa Maria.
Espero que gostem da dica de hoje.
Abraços, até mais,
Míriam
 

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Sebastião Salgado recebe prêmio internacional na Itália

 

Olá meus amigos, tenham uma excelente segunda-feira.
Eu que amo de paixão o fotógrafo Sebastião Salgado, me deparei com esta notícia maravilhosa: ele foi escolhido para receber, no dia 27 deste mês, o Premio Internazionale Primo Levi, na cidade italiana de Gênova.
O fotógrafo, considerado um dos melhores do mundo por suas belas imagens, será o homenageado deste ano da associação judaica Centro Culturale Primo Levi.
O fotógrafo e sua esposa e colaboradora, Lélia Wanick Salgado, comparecerão à premiação, que reunirá cidadãos de Gênova e figuras políticas importantes da Itália no Palazzo Ducale.

Sebastião Ribeiro Salgado
Nascido em Aimorés, Minas Gerais, em 1944. Sebastião é formado em Economia e realiza doutorados nessa área. Durante o período entre 1971 e 1973, trabalhou para a Organização Internacional do Café, em Londres. Já, quando estava em uma viagem na África, onde coordenava um projeto sobre a cultura do café em angola, Sebastião decidiu tornar-se fotógrafo. Enquanto estava em Paris, documentou perturbados acontecimentos sociais e políticos na Europa e na África.

Principais livros:
-Other Americas (Outras Américas, 1986), que trata das condições de vida dos camponeses latino-americanos;
-Sahel: L''Homme en Detresse (Sahel: o Homem em Agonia, 1986) que aborda a seca na região africana do Sahel;
-Trabalhadores (1993), sobre a mudança nas relações de produção do trabalho manual;
-Terra (1997), que mostra a pobreza e a questão agrária no Brasil.

Prêmios:
- Prêmio Príncipe de Asturias das Artes (1998);
- Prêmio Eugene Smith de Fotografia Humanitária;
- Prêmio World Press Photo;
- The Maine Photographic Workshop ao melhor livro foto-documental;
- Eleito membro honorário da Academia Americana de Artes e Ciência nos Estados Unidos;
- Prêmio pela publicação do livro Trabalhadores;
- Medalha de prata Art Directors Oub nos Estados Unidos;
- Prêmio Overseas Press Oub oí America;
- Alfred Eisenstaedt Award pela Magazine Photography;
- Prêmio Unesco categoria cultural no Brasil.

Fonte: sites: A História da Fotografia e jornal A Tribuna online

domingo, 20 de novembro de 2016

Seleção Rio 2016
Festival de filmes no CineSesc

Bom dia a todos vocês meus amigos e que o domingão seja excelente para todos nós, melhor se for com sol.
Ontem passei o dia escrevendo e não consegui disponibilizar nenhum material aqui na página.


Vejam que interessante o Festival do Rio, que apresenta um recorte de sua programação feito especialmente para o CineSesc.
A mostra – documentários e clássicos de terror - prossegue até 23 de novembro, com produções exibidas recentemente no Festival do Rio.
Com ingressos que podem ser reservados online a preços entre R$3,50 e R$12, a programação conta com E A Mulher Criou Hollywood (dia 20), A Noiva de Frankenstein (dia 21) e A Múmia (dia 22), entre outros.
O CineSesc fica na Rua Augusta, 2.075, Cerqueira César, São Paulo.
Mais informações: (11) 3087-0500

Confira a programação, acesse:



sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Crossroads - Quando os destinos se cruzam
Novo romance do escritor Ademir Pascale

Olá, um bom dia a todos nós, melhor hoje que é sexta-feira.
Vejam que interessante, o escritor e ativista cultural Ademir Pascale lançou no dia 15 seu novo romance Crossroads – Quando os destinos se cruzam no formato Wattpad.

Sinopse:
Allan, um jovem de dezenove anos passa por problemas 
amorosos, financeiros e familiares. Anderson, um pugilista, cansado de ser humilhado desde a infância, tenta alcançar a fama a qualquer preço. 
Bezequiel, um padre que estuda o sobrenatural e que acaba descobrindo um dos portões do inferno. Três pessoas distintas, mas que possuem uma forte ligação.

Até que ponto você chegaria para alcançar o que tanto deseja?
"Assustador e humano, com bons toques musicais e solidamente plantado no cotidiano brasileiro, o livro traz situações e personagens tão verdadeiros, que a identificação com eles é praticamente imediata. Aí reside o mais assustador da obra.", ressalta Laura Elias, articulista, palestrante e romancista, autora de 36 livros com temas sobrenaturais.
O autor do livro Sombras e Sonhos Álvaro Domingues também comenta sobre o assunto. "O principal mérito de Pascale é justamente construir este quebra-cabeça de maneira coerente e dar uma profundidade aos personagens da trama. Outro mérito está no estilo de sua escrita, fazendo o texto fluir de 
forma agradável, colocando ganchos nos locais adequados e liberando as informações de forma a deixar o leitor interessado no final da trama”.

"Uma das coisas que gostei no livro foi a maneira como Pascale  torna os personagens próximos de nós”, reforça também Daniel Borba, do blog lemdasestrelas.wordpress.com

O romance completo está disponível no Wattpad, acesse:


quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Primar e prezar
Coluna Dicas da Língua Portuguesa

Primar e prezar, quando usar?
Essa é a dica de hoje da coluna Dicas da Língua Portuguesa e espero que seja útil para a continuação da boa grafia.
Abraços a todos vocês, até amanhã,
Míriam

Prezo pela boa regência.
Soou estranho para você? Não? Se sim, o desconforto deve ter sido causado pela regência errada do verbo. Para muitos, não causará nenhum estranhamento. Expliquemos, então, o erro para que todos sintam vontade de editar essa oração.

“Prezar” é sinônimo de “valorizar”. E assim como este é transitivo direto:

Acima de tudo, prezo a responsabilidade no trabalho.
A empresa que conheci preza o meio ambiente em suas ações.

A regência de “prezar” é confundida com a do verbo “primar”. Em seu uso mais comum, “primar” é sinônimo de “notabilizar-se”. Com esse sentido, é um verbo transitivo indireto, ou seja, exige uma preposição antes do objeto que regerá.

O filme prima pelos seus grandes atores.
Ou seja, “destaca-se”, “notabiliza-se” pelos seus grandes atores.

Talvez fique mais fácil assim: a regência do verbo “prezar” é a mesma do verbo “valorizar”, um de seus sinônimos.

Valorizo sua coragem = Prezo sua coragem.

E não: valorizo pela sua coragem / prezo pela sua coragem


Aquela frase do início deveria ser: “Prezo a boa regência”.