segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Olá pessoal! Tenham um excelente dia!
Hoje é segunda, acabou a mamata do final de semana, mas o feriadão de Carnaval está chegando, ânimo galera!
Hoje deixo o conto Jardim, que faz parte da 7ª edição da Revista Conexão Literatura, espero que apreciem. O conto faz parte do modelo de no máximo, duas laudas.
Bem, por hoje é só.
Grande abraço,

Míriam

Conto Jardim

Desde que adoecera a senhora Vivian nunca mais pode cuidar de seu lindo jardim, que para ela era a razão de levantar cedo todos os dias. Viviam sempre fora uma bela mulher e vivia de sua boa aposentadoria e dos bens de família, já que nunca se casou e ninguém conseguiu saber o motivo. Ela morava na casa da família com os sobrinhos.
Numa certa noite, quando a sobrinha já estava dormindo, Vivian sentiu um aroma delicioso e envolvente entrar em seu quarto; ela conhecia muito bem aquele perfume de “Dama da noite”. Uma bruma estranha envolveu todo o seu quarto. Ela não se conteve e desceu da cama. Pegando a bengala calçou os chinelos e abriu a porta.
Nisso, ao sair do quarto, Vivian viu que várias flores estavam pelo chão do corredor, como se enfeita a igreja em dia de casamento.
A pobre senhora desceu com dificuldade as escadas e se apoiando no corrimão, foi até a porta de entrada. Ao abri-la se deparou com o lindo jardim, que estava florido como de costume na primavera.
Quem será que cuidou de meu jardim? Indagou Vivian, falando para si. Nisso, ela vê um senhor no entremeio das flores.
A senhora Vivian não hesitou e lentamente foi caminhando até lá.
Quem é esse homem que está mexendo em meu jardim? Pensa a idosa.
Ela não hesitou e mesmo com dificuldade para andar, foi devagar verificar quem seria o estranho que estaria lá com suas flores. O pouco que percorreu já foi motivo para cansaço, e sua respiração ficou alterada.
Chegando ao jardim, Vivian senta-se no banco. O senhor se aproxima com flores nas mãos. Ele estava vestindo um macacão jeans surrado e botas velhas.
— Quem é o senhor? — Pergunta Vivian ao pobre homem.
O homem estende as mãos e fita-lhe nos olhos.
— Você não está me reconhecendo? — Diz ele com sotaque estrangeiro.
Ela se levanta do banco e olha bem no fundo dos olhos azuis do sujeito e boquiaberta, o reconhece.
— Não pode ser! É você Arturo? — Pergunta Vivian ao homem.
— Sim minha querida, sou eu, que estou aqui cuidando de suas flores novamente.
— Mas como você sabia que eu ainda morava aqui?
— Meu amor, eu nunca me casei, assim como você.
— Mas você foi embora, achei que não me amasse mais e que fosse viver a sua vida.
— O homem segurou as mãos de Vivian enquanto falava. Você sempre soube que seu pai, por causa das condições financeiras da sua família, não aprovava o nosso namoro. Eu sou de uma família pobre imigrante e era o empregado da casa, o jardineiro, como ele aprovaria isso? Seu pai queria que você tivesse um bom partido. — Dizia Arturo.
Vivian foi recordando o passado, e as cenas foram voltando à sua mente...
... Estavam no ano de 1950 e o pai de Vivian era um advogado bem sucedido. Além da casa que moravam já possuíam outras duas. A família tinha quatro filhos, sendo Vivian a caçula com muita diferença dos demais. Dos três irmãos, a mais velha estava casada e os outros dois, um era médico e o outro advogado e não moravam mais com os pais de Vivian, somente ela, com 15 anos.
A casa sempre tivera um imenso jardim e Vivian era apaixonada por flores. De temperamento doce e muito simples, a moça nada se parecia com os irmãos, que almejavam posições sociais e políticas.
Vivian começou a lembrar-se de quando o jardineiro veio para sua casa, contratado para cuidar do jardim. Vivian assim que viu o belo jovem alto e louro, de uns olhos azuis da cor do céu, se apaixonou, foi amor à primeira vista para ambos, mas os pais dela nunca aprovaram.
Num certo início de manhã, o pai da moça os vê caminhado de mãos dadas no jardim, vendo também um beijo; motivo para despedir o rapaz.
Desesperado, o jovem não sabia o que fazer.
Os dois tentaram fugir, mas o plano não deu certo. Ela foi mandada para um colégio interno e o pai disse-lhe que o rapaz aceitou dinheiro e foi embora.
Isso foi motivo para que Vivian nunca mais se apaixonasse. Com o coração partido, a pobre moça se dedicou aos estudos e ao trabalho.
— Me lembrei de tudo o que nos aconteceu Arturo. — Disse Vivian ao homem. — Só não compreendo porque você aceitou o dinheiro, então você não me amava? – Indagou.
— Mas eu não aceitei dinheiro algum Vivian. — Explicou Arturo.
— Então porque você nunca mais voltou? — Perguntou Vivian, angustiada em saber a verdade depois de todos aqueles anos perdidos.
— Sim quando você esteve fora eu voltei duas vezes aqui e ameacei o seu pai a contar-me onde você estava e ele não deixou por menos, contratou uns capangas que fizeram uma emboscada para mim, da qual eu não sobrevivi! – Disse-lhe Arturo.
Vivian sentiu uma forte dor no peito ao ouvir aquelas terríveis palavras e se amparou nele para não ir ao chão.
— Mas não pode ser! Como você está aqui agora? Envelhecido também? — Pergunta Vivian desesperada, sentando-se no banco.
— Vivian, eu envelheci junto com você porque o seu amor nunca me fez morrer. Você mesmo longe, naquele colégio interno e depois na sua vida inteira, nunca deixou de pensar em mim um minuto sequer e esse seu amor não deixou meu espírito partir. Assim como suas flores, eu sempre estive ao seu lado, cultivado em seu coração, amado e querido todas as manhãs. Você sempre me chamou, falou meu nome e eu sempre estive aqui e te amei Vivian.
— Eu vivi neste jardim a minha vida inteira e acompanhei a sua vida até agora. Tudo aquilo foi demais para ela. Com a mão no peito, Vivian sentiu o coração bater bem devagar, até parar.
Na manhã seguinte, a sobrinha de Vivian foi ter com ela no quarto e quando viu que a tia não estava, começou a procurá-la, encontrando o corpo no jardim.
Com o falecimento da tia, os sobrinhos não venderam a casa, patrimônio da família. Os sobrinhos mantinham sempre o jardim cuidado e florido, em memória da tia.
Assim como a vida renasce a cada dia, em algum lugar da eternidade, Vivian e Arturo agora podiam viver suas vidas para sempre!

Nenhum comentário: