quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Olá meus amigos, tenham uma excelente quarta-feira, já estamos no meio da semana, ainda bem.

Outro dia tive conhecimento da poesia de Giacomo Leopardi e gostei. Deixo para vocês o poema mais conhecida do autor, O Infinito, e espero que gostem.

Abraços,

Miriam

 

Poesia O Infinito
Giacomo Leopardi

Sempre cara me foi esta colina
Erma, e esta sebe, que de tanta parte
Do último horizonte, o olhar exclui.
Mas sentado a mirar, intermináveis
Espaços além dela, e sobre-humanos
Silêncios, e uma calma profundíssima
Eu crio em pensamentos, onde por pouco
Não treme o coração. E como o vento
Ouço fremir entre essas folhas, eu
O infinito silêncio àquela voz
Vou comparando, e vêm-me a eternidade
E as mortas estações, e esta, presente
E viva, e o seu ruído. Em meio a essa
Imensidão meu pensamento imerge
E é doce o naufragar-me nesse mar.

(tradução de Vinicius de Moares)


L’infinito (original)

Sempre caro mi fu quest'ermo colle,
E questa siepe, che da tanta parte
Dell'ultimo orizzonte il guardo esclude.
Ma sedendo e mirando, interminati
Spazi di là da quella, e sovrumani
Silenzi, e profondissima quiete
Io nel pensier mi fingo; ove per poco
Il cor non si spaura. E come il vento
Odo stormir tra queste piante, io quello
Infinito silenzio a questa voce
Vo comparando: e mi sovvien l'eterno,
E le morte stagioni, e la presente
E viva, e il suon di lei. Cosi tra questa
Immensita s'annega il pensier mio:
E il naufragar m'è dolce in questo mare

Giacomo Leopardi

Conde Giacomo Leopardi nasceu no dia 29 de junho de 1798 em Recanati e faleceu em Nápoles, em 14 de junho de 1837.
Ele foi poeta, ensaísta e filólogo, e um dos maiores poetas italianos. A sua obra revela muito pessimismo, melancolia e cepticismo.
O primeiro livro, Saggio Sugli Errore Popolari Degli Antichi, embora escrito em 1815, permaneceu na posse do autor, e só veio a ser publicado nove anos após a sua morte. Sabe-se que durante esta época Giacomo Leopardi foi vítima de um problema cerebrospinal e da cegueira progressiva de um olho. As suas deficiências físicas, provocadas ou por doença degenerativa, acidente, ou mazelas de duelo, fizeram com que se recatasse da companhia feminina.
Suas maiores obras incluem o Zibaldone, as Operette Morali (uma coleção de pequenas histórias meditativas sobre o Homem em poemas), e a coleção de poemas Canti, sendo o mais conhecido L'infinito. 

Nenhum comentário: