segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Boa segunda-feira a todos nós. Vamos que vamos!!!

Para começar bem a semana, a poesia TE CORTAS, do amigo jornalista, escritor e poeta Marcos Martins, que acabou de ser premiado com uma de suas poesias. Parabéns a ele!

Bem, por hoje é só.

Grande abraço,

Miriam

 

TE CORTAS
Marcos Martins

Corto o véu que me revigora, porque de mim nada se faz nascer;
Corto as cordas do umbilical, separando-me de minha natureza forjada no mal.
Sou um ser apático, vivo num mundo monocromático – justificativa que não encontro em meu nascer.
Os poros estão obstruídos, então corto o pulmão já carcomido com toda a esperança que o humano se faz romper.
Corto.
Descortino.
Esfolo.
Corto o céu de minha boca para que possa tocar as estrelas infinitas;
Corto os laços doutrinários que me forjaram, que me incomodam, causam urticarias em meu espírito.
Corto.
Esfolo o espírito – angústia criativa de ter mãos e não poder escrever.
Cortas a corda no pescoço, pois se depois da morte há vida de que adianta querer morrer. Então mutilas tuas mágoas, dilacera tuas perdas, frustrações, dissabores, tuas feridas, tudo o que de ruim já foi vida, vivida por uma existência Frankenstein.
Cortas tudo.
Cortas o todo, cortas as feridas que nunca serão lacradas, pois a dor do existir sempre a de existir dentro da alma de todo ser que vive sua existência sem saber que viver é cortar-se; é sofrer no existir.

Poesia premiada no primeiro concurso do grupo Poetas que Choram e Amam. Conheça o poeta e escritor, acesse:


domingo, 30 de agosto de 2015

Oi pessoal, um bom domingo para todos nós.

Recebi o convite do SESC e como achei interessante e pretendo conferir, disponibilizo aqui na página a atração Cabaré de Bolso.

Bem, por hoje é só.

Grande abraço,

Miriam

 

Cabaré de Bolso

Cabaré de Bolso é o show que acontece hoje no teatro do SESC Santos, às 17h30, gratuito.
Durante os 50 minutos de duração, contorcionismos e malabarismos são apresentados sem a configuração real de "número", expondo ao público todos os aspectos mais íntimos da criação.
Com roupagem contemporânea a Cia. SUNO trás à cena neste projeto um espetáculo de variedades intimista. As canções são executadas ao vivo ou operadas em cena pelos personagens, e completam os seis números de habilidades que compõem o projeto.


Serviço:
Cabaré de Bolso
Quando: hoje, dia 30, às 17h30 – gratuito
Local: SESC Santos: Rua Conselheiro Ribas, 136, Aparecida

Telefone: (13) 3278-9800

sábado, 29 de agosto de 2015

Tenham um ótimo sábado. Estou de plantão e procurarei fazer o possível neste final de semana.

Para quem curte teatro, acontece hoje no SESC Santos o espetáculo Uma Gaivota – É Impossível Viver Sem.

Fica aí a dica.

Grande abraço,

Miriam

 

Encenação Uma Gaivota - É Impossível Viver Sem
Hoje, no SESC Santos

O SESC Santos apresenta neste sábado Uma Gaivota – É Impossível Viver Sem, às 20 horas. Trata-se do clássico russo de 1895 escrito por Anton Tchekhov com versão de Nelson Baskerville.
O espetáculo é classificado pelo autor como “comédia em 4 atos” a encenação transporta a ação para uma fazenda em Campos do Jordão, onde os proprietários em dificuldades financeiras divertem-se, amam, bebem e machucam-se.
No palco, ora personagens, ora atores, lançam a pergunta: é impossível viver sem teatro? Adaptação e Direção: Nelson Baskerville. Com Renato Borghi, Noemi Marinho, Pascoal da Conceição, Élcio Nogueira, Julia Ianina, Rafael Primot, Thais Medeiros e Erika Puga.

Serviço:
Espetáculo: Uma Gaivota – É Impossível Viver Sem
Quando: hoje, às 20h
Local: SESC Santos – Rua Conselheiro Ribas, 136, Aparecida
Ingressos: R$ 20,00 (inteira) a R$ 6,00 (comerciários)
Não aconselhável para menores de 16 anos

 

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Olá amigos, tenham uma excelente sexta-feira, rumo ao final de semana.
Gosto muito de crônica e disponibilizo O melhor amigo, de Fernando Sabino, pois ele é um dos autores brasileiros que sempre admirei. Espero que gostem.

Abraços,,

Miriam

 

O melhor amigo

Crônica de Fernando Sabino

 

A mãe estava na sala, costurando. O menino abriu a porta da rua, meio ressabiado, arriscou um passo para dentro e mediu cautelosamente a distância. Como a mãe não se voltasse
Para vê-lo, deu uma corridinha em direção de seu quarto.
– Meu filho? – gritou ela.
– O que é – respondeu, com o ar mais natural que lhe foi possível.
– Que é que você está carregando aí?
Como podia ter visto alguma coisa, se nem levantara a cabeça? Sentindo-se perdido, tentou ainda ganhar tempo.
– Eu? Nada…
– Está sim. Você entrou carregando uma coisa.
Pronto: estava descoberto. Não adiantava negar – o jeito era procurar comovê-la. Veio caminhando desconsolado até a sala, mostrou à mãe o que estava carregando:
– Olha aí, mamãe: é um filhote…
Seus olhos súplices aguardavam a decisão.
– Um filhote? Onde é que você arranjou isso?
– Achei na rua. Tão bonitinho, não é, mamãe?
Sabia que não adiantava: ela já chamava o filhote de isso. Insistiu ainda:
– Deve estar com fome, olha só a carinha que ele faz.
– Trate de levar embora esse cachorro agora mesmo!
– Ah, mamãe… – já compondo uma cara de choro.
– Tem dez minutos para botar esse bicho na rua. Já disse que não quero animais aqui em casa. Tanta coisa para cuidar, Deus me livre de ainda inventar uma amolação dessas.
O menino tentou enxugar uma lágrima, não havia lágrima. Voltou para o quarto, emburrado:
A gente também não tem nenhum direito nesta casa – pensava. Um dia ainda faço um estrago louco. Meu único amigo, enxotado desta maneira!
– Que diabo também, nesta casa tudo é proibido! – gritou, lá do quarto, e ficou esperando a reação da mãe.
– Dez minutos – repetiu ela, com firmeza.
– Todo mundo tem cachorro, só eu que não tenho.
– Você não é todo mundo.
– Também, de hoje em diante eu não estudo mais, não vou mais ao colégio, não faço mais nada.
– Veremos – limitou-se a mãe, de novo distraída com a sua costura.
– A senhora é ruim mesmo, não tem coração!
– Sua alma, sua palma.
Conhecia bem a mãe, sabia que não haveria apelo: tinha dez minutos para brincar com seu novo amigo, e depois… ao fim de dez minutos, a voz da mãe, inexorável:
– Vamos, chega! Leva esse cachorro embora.
– Ah, mamãe, deixa! – choramingou ainda: – Meu melhor amigo, não tenho mais ninguém nesta vida.
– E eu? Que bobagem é essa, você não tem sua mãe?
– Mãe e cachorro não é a mesma coisa.
– Deixa de conversa: obedece sua mãe.
Ele saiu, e seus olhos prometiam vingança. A mãe chegou a se preocupar: meninos nessa idade, uma injustiça praticada e eles perdem a cabeça, um recalque, complexos, essa coisa.
– Pronto, mamãe!
E exibia-lhe uma nota de vinte e uma de dez: havia vendido seu melhor amigo.
– Eu devia ter pedido cinquenta, tenho certeza que ele dava murmurou, pensativo.

 

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Boa quinta-feira para todos nós! E vamos rumo ao final de semana!

Hoje é dia da coluna da revisora Bernadete Bernardo, que nos traz uma dica muito boa e descomplicada de nossa Língua Portuguesa. O assunto é sobre Pronomes de Tratamento. “Alguns gramáticos já incluem o pronome “você” entre os pronomes pessoais”, esclarece Bernadete.

Leia mais, abraços,


Miriam



Fontes: EducaçãoUol/ Cobra Pages
Fotos: Português.com/ Blog Seja feliz nas letras/ Escola Kids

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Olá meus amigos, tenham uma excelente quarta-feira, já estamos no meio da semana, ainda bem.

Outro dia tive conhecimento da poesia de Giacomo Leopardi e gostei. Deixo para vocês o poema mais conhecida do autor, O Infinito, e espero que gostem.

Abraços,

Miriam

 

Poesia O Infinito
Giacomo Leopardi

Sempre cara me foi esta colina
Erma, e esta sebe, que de tanta parte
Do último horizonte, o olhar exclui.
Mas sentado a mirar, intermináveis
Espaços além dela, e sobre-humanos
Silêncios, e uma calma profundíssima
Eu crio em pensamentos, onde por pouco
Não treme o coração. E como o vento
Ouço fremir entre essas folhas, eu
O infinito silêncio àquela voz
Vou comparando, e vêm-me a eternidade
E as mortas estações, e esta, presente
E viva, e o seu ruído. Em meio a essa
Imensidão meu pensamento imerge
E é doce o naufragar-me nesse mar.

(tradução de Vinicius de Moares)


L’infinito (original)

Sempre caro mi fu quest'ermo colle,
E questa siepe, che da tanta parte
Dell'ultimo orizzonte il guardo esclude.
Ma sedendo e mirando, interminati
Spazi di là da quella, e sovrumani
Silenzi, e profondissima quiete
Io nel pensier mi fingo; ove per poco
Il cor non si spaura. E come il vento
Odo stormir tra queste piante, io quello
Infinito silenzio a questa voce
Vo comparando: e mi sovvien l'eterno,
E le morte stagioni, e la presente
E viva, e il suon di lei. Cosi tra questa
Immensita s'annega il pensier mio:
E il naufragar m'è dolce in questo mare

Giacomo Leopardi

Conde Giacomo Leopardi nasceu no dia 29 de junho de 1798 em Recanati e faleceu em Nápoles, em 14 de junho de 1837.
Ele foi poeta, ensaísta e filólogo, e um dos maiores poetas italianos. A sua obra revela muito pessimismo, melancolia e cepticismo.
O primeiro livro, Saggio Sugli Errore Popolari Degli Antichi, embora escrito em 1815, permaneceu na posse do autor, e só veio a ser publicado nove anos após a sua morte. Sabe-se que durante esta época Giacomo Leopardi foi vítima de um problema cerebrospinal e da cegueira progressiva de um olho. As suas deficiências físicas, provocadas ou por doença degenerativa, acidente, ou mazelas de duelo, fizeram com que se recatasse da companhia feminina.
Suas maiores obras incluem o Zibaldone, as Operette Morali (uma coleção de pequenas histórias meditativas sobre o Homem em poemas), e a coleção de poemas Canti, sendo o mais conhecido L'infinito. 

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Muito bom dia a todos nós!

Hoje é terça e tem Teatro no Itaú Cultural, com a última apresentação: Black Box, às 20 horas.

Apresentação gratuita com distribuição de ingressos 30 minutos antes do início do espetáculo – sala com 249 lugares.

É isso aí, amanhã tem mais.

Abraços,

Miriam

 

Terça Tem Teatro no Itaú Cultural
Hoje, Black Box

Em continuidade à sua programação teatral, o Itaú Cultural promoveu durante o mês de agosto quatro espetáculos sempre às terças-feiras. Todos eles contam com interpretação em Libras (Língua Brasileira de Sinais).


Por fim, hoje o bailarino norte-americano Shamel Pitts encerra a programação do mês com Black Box.
Com base em textos pessoais, a performance faz referência à “caixa preta” dos aviões – criada para registrar os eventos que ocorrem durante um acidente. Mais condensado e intimista que um palco comum, o espaço em que o trabalho é apresentado também dialoga com a ideia de uma caixa preta. Apoio do Consulado Geral de Israel.

Serviço:
Terça Tem Teatro – Black Box (livre)
Quando: último dia: hoje -
 às 20 horas
Local: Sala Itaú Cultural - Avenida Paulista, 149, São Paulo -  com distribuição de ingressos 30 minutos antes do início do espetáculo –sala com 249 lugares

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Muito bom dia a todos vocês e tenham uma ótima segunda-feira.

Ontem fiquei voltada a projetos que tenho em andamento e não me dei conta, não conseguindo postar nada aqui na página.

Bem, para hoje, até dia 31 de agosto estão abertas inscrições para o Programa Haroldo de Campos de incentivo à pesquisa e à tradução, que visa selecionar projetos de pesquisadores ou tradutores – vinculados à universidade ou autônomos – que estejam voltados à obra poética, tradutória ou crítico ­teórica de Haroldo de Campos. 
Achei bem interessante e disponibilizo para quem tiver interesse.
Grande abraço,

Miriam

 

Programa Haroldo de Campos

Inscrições abertas até dia 31

 

A Casa das Rosas – Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura, está com inscrições abertas, até o dia 31 de agosto, para o Programa Haroldo de Campos de incentivo à pesquisa e à tradução, que visa selecionar projetos de pesquisadores ou tradutores – vinculados à universidade ou autônomos – que estejam voltados à obra poética, tradutória ou crítico ­teórica de Haroldo de Campos. 
O museu, que pertence à Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo e é gerenciado pela POIESIS Instituto de Apoio à Cultura, sedia o programa realizado pelo Centro de Referência Haroldo de Campos e oferece aos autores dos projetos selecionados uma bolsa de estudos no valor de R$4.000,00, traslado e hospedagem por um mês na cidade de São Paulo, além do acesso ao acervo bibliográfico do autor. 
Essa iniciativa visa a contribuir para o aprofundamento dos estudos sobre o poeta paulistano e para a propagação de sua obra, dotada de grande densidade estética, teórica e de amplo alcance intercultural. Em contrapartida, os bolsistas deverão publicar um artigo na revista eletrônica Circuladô e oferecer duas palestras ou um curso. São aceitas inscrições de pesquisadores brasileiros e estrangeiros. 
O Programa Haroldo de Campos já recebeu quatro bolsistas: a teórica e tradutora Inês Oséki Depré, com um projeto de tradução de ensaios do autor para o francês; o poeta uruguaio Victor Sosa, dedicado a produzir uma antologia de poemas traduzidos para o espanhol; Jasmin Wrobel, pesquisadora alemã que estuda os traços de uma escritura global no livro Galáxias e Manuele Masini, dedicado ao estudo das traduções da “Divina Comédia”, de Dante Alighieri, pelo poeta paulistano. 

O download do edital nomeado Chamamento Público POIESIS No3/2015, pode ser feito no site da POIESIS:

 Fonte: Casa das Rosas

sábado, 22 de agosto de 2015

Olá meus amigos, tenham um excelente sábado.

Vejam que legal a oficina que acontece hoje gratuitamente no SESC Santos, com o premiado escritor Ricardo Flaitt.

Recebi o convite do amigo jornalista André Azenha e disponibilizo aqui na página.

Bem, por hoje é só.

Abraços e até mais,

Miriam

 

 

Poeta Ricardo Flaitt ministra oficina literária no Sesc Santos

 

Como se dá o processo de criação de um escritor? Especificamente na poesia. Existe um caminho pré-estabelecido a seguir ou não? Tendo em vista essas questões que voltam frequentemente à tona, é proposta a oficina literária “O escritor e o encontro com sua própria voz” com um autor cujo livro tem alcançado importante repercussão no meio literário: o paulistano Ricardo Flaitt, que assina “O Domesticador de Silêncios”, obra resenhada pela Revista Cult e que gerou uma resposta via e-mail de Antônio Carlos Sechin, membro da Academia Brasileira de Letras. 

Deste modo, Ricardo buscará levar ao público o caminho que leva um autor ao encontro de sua própria voz, tendo como base o processo de criação de seu livro.

O encontro ocorre hoje, das 17h às 19h na sala 2 do Sesc Santos. A atividade é gratuita com mediação do jornalista André Azenha e com sessão de autógrafos do livro após o encontro, Ricardo autografará seu livro.

O Domesticador de Silêncios

Foram 15 anos de espera até que Ricardo Flaitt – que também é crítico de cinema e colabora com o site CineZen Cultural - pudesse lançar seu primeiro livro de poemas:, “O Domesticador de Silêncios”.

Nascido em São Paulo há 37 anos, Ricardo viveu dos 10 aos 20 na cidade de Mococa, localizada no Nordeste do Estado de São Paulo, distante 290 quilômetros da capital, fazendo divisa com o Sul de Minas Gerais. A cultura “café com leite” do local e a maneira peculiar de seus moradores falarem influenciaram seu modo de compor poemas, e também o levaram a descobrir a literatura na pequena cidade, aos 16 anos, ao conhecer Getúlio Cardozo, decano da poesia local.

A partir de então, desenvolveu um universo próprio de produção de poemas, marcado sobretudo pela influência roseana da criação de neologismos, a partir da oralidade interiorana. Na sua juventude, compôs poemas presentes em “Domesticador de Silêncios”, como “Cheiros cerzidos”, “Monjolelétrico”, “Varanmundo” e “Ventilador”.

Com as criações, Ricardo conquistou o Prêmio Literário do Mapa Cultural Paulista, em 2000, promovido pela Secretaria da Cultura do Governo do Estado de São Paulo, com o próprio “Domesticador de Silêncios”. Em 2002, obteve nova conquista no Mapa Cultural Paulista, porém agora na Categoria Composição Musical, ao ver seu poema “Meridianos” ganhar os acordes de Kico Zamarian e a voz de Márcia Tauil. Em 2006, foi premiado no concurso literário da Universidade Federal de São João del-Rei.

Serviço:
Oficina/Bate-papo - “O escritor e o encontro com sua própria voz” com Ricardo Flaitt - gratuito
Quando: hoje, das 17h às 19h
Local: Sala 2 do Sesc Santos – Rua Conselheiro Ribas, 136, Aparecida, primeiro piso
Informações: 3278-9800 


Colaboração: Jornalista e assessor de Imprensa André Azenha

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Excelente sexta-feira para todos nós!

O 8º Seminário Biblioteca Viva, que acontecerá nos dias 9, 10 e 11 de novembro está com inscrições abertas.

Com vasta programação, o evento se realiza gratuitamente no Centro de Convenções Rebouças, em São Paulo.

Por hoje é só.

Abraços e até mais,

Miriam

 

Inscrições abertas para o 8º Seminário Biblioteca Viva

Inscrições abertas e gratuitas para o seminário que acontecerá em São Paulo nos dias 9, 10 e 11 de novembro de 2015, no Centro de Convenções Rebouças.
Pela oitava vez, centenas de profissionais que atuam no setor de bibliotecas, leitura, literatura e áreas afins em diversas regiões do País se reúnem para acompanhar, refletir, trocar experiências, interagir com novas ideias e conhecer palestrantes nacionais e internacionais em busca de soluções criativas para as questões que envolvem as bibliotecas do século XXI.
A multidisciplinaridade cultural ofertada pelas bibliotecas do presente precisa ir além do limite de seus acervos, complementando-se pela conexão com outras comunidades presenciais e virtuais para atender a expectativa e os anseios do cidadão que tem seu horizonte quase ilimitado pelo acesso à informação globalizada.
Conectando comunidades é o tema que permeará todas as intervenções que acontecerão no 8º Seminário Biblioteca Viva.
A programação ainda está em fase de consolidação, mas oferece um panorama instigante sobre os temas que serão abordados em palestras, mesas-redondas, conversas com escritores, exposição de painéis e pôsteres, intervenções artísticas e outras ações que estão sendo preparadas para todos participantes.

Faça sua inscrição: 

http://www.bibliotecaviva.org.br/noticia/32/estao-abertas-as-inscric-es-para-8-seminario-biblioteca-viva



quinta-feira, 20 de agosto de 2015



Fonte: Português.com.br/ Mundo Educação/ Toda Matéria/Brasil Escola.
Fotos: Que barato/ Estronho

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Boa quarta-feira para todos nós.

Hoje começa a 26ª edição do Festival de Curtas Metragens de São Paulo. O evento conta com ampla programação, são mais de 350 filmes de 52 países, além de títulos convidados.

Vale a pena, e para quem se interessar, o festival segue até dia 30/08.

Abraços,

Miriam

 

Começa hoje o 26º Festival de Curtas Metragens de São Paulo


Entre os dias 19 a 30 de agosto, o Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo – Curta Kinoforum chega à 26ª edição, com a exibição de 350 filmes de 52 países, selecionados em meio a mais de 3600 inscritos, além de títulos convidados. 


O festival é um dos maiores e mais tradicionais eventos dedicados ao formato de curta-metragem no mundo. Realizado desde 1990 na cidade de São Paulo, já se tornou um marco na agenda cultural da cidade por sua programação ampla e diversificada. Com entrada franca, o evento passa por salas de diversos espaços culturais de São Paulo, como MIS, CineSesc, Cinemateca, Espaço Itaú Augusta, Centro Cultural São Paulo, Cine Olido e o Cinusp. 


A cada ano, o festival seleciona cerca de 400 produções de uma ampla gama de países, procurando representar a diversidade e a variedade da produção de curta-metragem no mundo, e ampliar o diálogo do audiovisual internacional com a produção latino-americana. 


O Festival é dirigido pela produtora cultural Zita Carvalhosa e é organizado pela Associação Cultural Kinoforum, entidade sem fins lucrativos que realiza atividades e projetos e apoia o desenvolvimento da linguagem e da produção cinematográfica com destaque para a promoção do audiovisual brasileiro.
 

 

Acompanhe a programação completa do evento e mais informações:


site oficial do Curta Kinoforum – 26º Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo