sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Até que enfim a sexta-feira chegou! Ufa, amém!

Recebi o convite para o lançamento da Exposição 20 anos de Fotografia de Cena – do ensaio ao espetáculo, mas infelizmente não pude comparecer ontem, e visitarei neste final de semana, e disponibilizo aqui para vocês, para quem curte fotografia assim como eu.

Bem, por hoje é só.

Abraços,

Miriam

 

Exposição 20 anos de Fotografia de Cena – do ensaio ao espetáculo

 

Lançada ontem, pela Secretaria de Cultura de Santos, a exposição “20 anos de Fotografia de Cena – do ensaio ao espetáculo” de Jean-Charles Mandou, pode ser visitada até dia 28 de março na Galeria de Arte Braz Cubas, que fica na Av. Senador Pinheiro Machado 48, 2º piso, Santos, de segunda à sexta-feira, das 13h às 21h, e aos sábados das 10h às 19h.

Tendo participado de vários longas e curtas metragens na França e no Brasil, o Artista-Fotógrafo, cenógrafo e produtor cultural desenvolve seu trabalho em torno do espetáculo ao vivo com várias Companhias de Teatro, acompanhando grupos em cena e nos bastidores contando o dia a dia de cada projeto. Radicado no Brasil há mais de 20 anos, Mandou vê a fotografia como um universo criado, uma interpretação, o reflexo de uma imagem mental própria.  

Jean-Charles considera que a fotografia contemporânea suscita e provoca a curiosidade e emoção do leitor a partir de uma desconstrução dos cânones clássicos de estética. Ela brinca com os defeitos e erros que antigamente eram motivo de eliminação de muitas fotos: a falta de luz, de foco, a mistura de iluminação natural e artificial, o doubleclics, os erros de enquadramento. Esses eram alguns dos elementos que condenavam ao lixo as imagens.
A mostra conta com 50 imagens impressas em tecido 1m x 1,40m, sem quadro nem vidro, de livre interpretação. A intenção é que a narrativa de cada imagem estimule o imaginário de cada um e que vá além da pergunta – O que o artista quis dizer?
Estas imagens estarão descoladas da parede, flutuando dentro do espaço da galeria, sem o receio do toque, sem o medo do vento, sem titulo: um momento de reflexão lúdica e poética!
O tecido, leve e resistente, permite ter uma reprodução das fotos com qualidade e sem reflexo. Assim, o publico terá a sensação de entrar diretamente em cada imagem.  Uma vantagem do tecido é o fato do público poder tocar a obra sem problemas. Diferenciando das exposições tradicionais onde a frase “Não toque na obra” é uma constante.

O artista traz esta mostra a convite do Eikones Escritório de Arte, que o representa na cidade de Santos. 

Nenhum comentário: