quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Que a quinta-feira 13 seja excelente para todos nós.
Nesta semana, assistindo o Em Pauta, adorei a poesia When we Two parted, de Lord Byron declamada pelo Jorge Pontual e disponibilizo aqui, para quem não conhece.
Lord Byron foi o maior representante do Romantismo Inglês e tem poesias maravilhosas.
Bem, é isso!
Grande abraço,
Miriam

When we Two parted

WHEN we two parted 

In silence and tears, 
Half broken-hearted 
To sever for years, 
Pale grew thy cheek and cold, 
Colder thy kiss; 
Truly that hour foretold 
Sorrow to this. 

The dew of the morning 
Sunk chill on my brow— 
It felt like the warning 
Of what I feel now. 
Thy vows are all broken, 
And light is thy fame: 
I hear thy name spoken, 
And share in its shame. 

They name thee before me, 
A knell to mine ear; 
A shudder comes o'er me— 
Why wert thou so dear? 
They know not I knew thee, 
Who knew thee too well: 
Long, long shall I rue thee, 
Too deeply to tell. 

In secret we met— 
In silence I grieve, 
That thy heart could forget, 
Thy spirit deceive. 
If I should meet thee 
After long years,
How should I greet thee? 
With silence and tears. 

Lord Byron

  
Quando Nos Separamos

QUANDO nos separamos
Em silêncio e lágrimas,
Corações meio quebrados
Apartados pelos anos,
Pálido ficou teu rosto e gélido,
Mais gélido apenas teu beijo;
Verdadeiramente aquela hora anteviu
Meu remorso por você.

A geada da manhã
Emplacou o frio na minha fronte
Fazendo-se sentir como o aviso
Daquilo que sinto agora.
Teus votos foram todos quebrados, 
E a luz é a tua fama:
Eu escuto teu nome ser dito,
E compartilho da tua vergonha.

Eles te nomeiam em minha presença
Notas fúnebres aos meus ouvidos;
Um calafrio me toma de súbito—
Por que me foste tão cara?
Nada sabem que te conheci,
Aquele que te conheceu melhor:
E por muito tempo irei lamentar,
Por demais para poder falar.

Em segredo nos encontramos— 
Em silêncio fico a remoer,
O que teu coração pôde esquecer, 
E teu espírito dissimular. 
Se devo te encontrar
Após longos anos, 
Como deveria te cumprimentar?
Com silêncio e lágrimas.


Tradução do psicólogo Claudio Drews

Lord Byron
Jorge Gordon Byron, conhecido como Lord Byron, foi um importante poeta inglês do século XIX. Nasceu da cidade de Londres em 23 de janeiro de 1788.
É considerado, na literatura inglesa, um gênio poético e um dos principais representantes do Romantismo Inglês. Seus poemas são carregados de inspiração exaltada, crítica social, impetuosa e violenta. Apresentam temas ligados à tristeza humana e melancolia. Seu primeiro livro de poemas foi “Horas de lazer”, escrito em 1807.
Fez muitas viagens, que o inspiraram, para cidades da Espanha, Grécia, Malta, Suíça, Itália e Albânia. Em Genebra, viveu com Claire Clairmont com quem teve uma filha, em 1817, chamada Allegra.
Byron também morou no Oriente, em seus últimos anos de vida. Morreu em Missolonghi no dia 19 de abril de 1824.

Algumas obras do poeta:
- Horas de lazer (1807)
- Poetas ingleses e críticos escoceses (1809)
- A Peregrinação de Childe Harold (1812-1818)
- O prisioneiro de Chillon (1816)
- Manfred (1817)
- Beppo (1818)

- Don Juan (1819-24)

Nenhum comentário: