domingo, 4 de maio de 2014

Olá! Tenham um ótimo domingo.
Já divulguei aqui na página que estou fazendo parte da coletânea “Mr. Hyde”, inspirada na novela “O Médico e o Monstro”, de Robert L. Stevenson, que trabalha a dualidade entre o bem e o mal. Pois bem, a boa notícia é que o livro deve sair no início de junho.
Os autores convidados já entregaram seus contos e recebemos as histórias para a última revisão.
Muito boa notícia, dentro de alguns dias começarei a divulgar entrevistas com os autores, que falarão um pouquinho de suas
histórias.
Abraços,
Miriam

Coletânea “Mr. Hyde”

“Mr. Hyde”, coletânea organizada pelo escritor e ativista cultural Ademir Pascale, com previsão de lançamento para junho deste ano, é inspirada na novela “O Médico e o Monstro”, de Robert L. Stevenson, que trabalha a dualidade entre o bem e o mal implantadas num único ser. Hyde (hidden) é o ser que vive escondido, oculto entre as grades de uma cela escura da mente humana, aguardando impacientemente pela sua liberação. Dizem que todos nós temos um doppelganger, um outro eu com aparência idêntica, mas com pensamentos diferentes.
Casos assim foram registrados na história, como no caso do escritor e poeta Goethe, que ao passar em uma trilha, percebeu que alguém vinha em sua direção. Este alguém era uma pessoa idêntica a ele, só que com trajes diferentes.
O escritor Percy Bysshe Shelley, esposo da famosa escritora Mary Shelley, criadora da obra “Frankenstein”, confessou que encontrou seu outro eu inúmeras vezes. O caso foi presenciado por Jane Williams, amiga de Percy, que viu o outro eu do amigo passar por ela e entrar num beco sem saída, do qual nunca mais retornou.
Casos semelhantes aconteceram ao longo da história e um dos principais foi com a Rainha Elizabeth I, que chegou a ver o seu outro eu deitada em sua cama. Elizabeth faleceu poucos dias depois do ocorrido.
No caso da obra de Stevenson, o outro eu se transforma num único corpo, invade e destrói os pensamentos benevolentes de um ser.
Com contos escritos por excelentes escritores brasileiros que trabalharão o insólito em seus textos, esta obra visa mexer com o seu íntimo. 

Nenhum comentário: