segunda-feira, 21 de abril de 2014

Olá, que bom hoje ainda é feriado! Bora aproveitá-lo!
Compartilho o meu nanoconto Fome. Você sabe o que é um nanoconto? Então veja só que legal. Sabia que tem autores que já lançaram vários livros? O Edison Rosato é um deles.
Abraços,
Miriam

Nanoconto
Fome

       No centro de Santos um rapaz sempre pedia dinheiro, dizia que era para saciar a fome. Porém, na madrugada, o cachimbo da morte triunfava.

O que é um nanoconto?

Miniconto, ou microconto, ou nanoconto, é uma espécie de conto muito pequeno, produção esta que tem sido associada ao minimalismo. Os minicontos são diferentes de um "conto pequeno". No miniconto muito mais importante que mostrar é sugerir, deixando ao leitor a tarefa de "preencher" as elipses narrativas e entender a história por trás da história escrita.

O guatemalteco Augusto Monterroso é apontado como autor do mais famoso miniconto, escrito com apenas trinta e sete letras:
Quando acordou o dinossauro ainda estava lá.

Assim como o escritor Ernest Hemingway, autor de outro famoso miniconto. Com apenas vinte e seis letras, mas por trás das quais há toda uma história de tragédia familiar:
Vende-se: sapatos de bebê, sem uso.

O que é minimalista?


A literatura minimalista é caracterizada pela economia de palavras. Os autores minimalistas evitam advérbios e preferem sugerir contextos a ditar significados. Espera-se dos leitores uma participação ativa na criação da história, pois eles devem “escolher um lado” baseados em dicas e insinuações, ao invés de representações diretas. Os personagens de histórias minimalistas tendem a ser banais, comuns, inexpressivos, nunca famosos detetives ou ricos fabulosos. Geralmente, as histórias são pedaços da vida.

Nenhum comentário: