quarta-feira, 27 de março de 2013


Olá amigos! Tenham uma esplêndida quarta-feira!

Vejam as novidades aqui na página.

 

Amor eterno

Noite de sábado, verão de 79, e a moçada do bairro se aprontando para os famosos bailinhos do Nelson, o cara mais conhecido da Vila Moraes, em São Paulo, por seu repertório que agradava a todos os gostos e pelo imenso espaço do salão, ao fundo de sua casa.
Música agitada, luzes piscando, bebida a vontade e a rapaziada dançando muito. As amigas de Flávia estavam lá se divertindo, e não notaram quando ela chegou sozinha, sempre buscando por algum lugar mais isolado do salão, para que pudesse apenas ficar olhando, sem ser percebida ou tirada para dançar. E assim foi. A moça se acomodou em uma cadeira que estava no final do salão e de lá foi acompanhando os passos ritmados ao som de Donna Summer.
Após uma pausa rápida, a música prosseguiu com uma sequência romântica. Flávia viu os rapazes se aproximarem das moças para convidá-las a dançar. Flávia, ao fundo, nem foi notada e lá permaneceu como apenas observadora.
Quando começou a tocar Kenny Rogers, seu cantor favorito, eis que surge um rapaz. Ele não era alto, tinha os cabelos negros e curtos e uma fisionomia séria. O homem pegou uma bebida e ficou olhando os casais dançando.
Nisso, seus olhos encontraram os de Flávia, do outro lado da sala, como por um encanto.
O rapaz deixou o copo e lentamente foi ao encontro da moça. Flávia engoliu em seco e suas mãos estavam geladas.
— Você quer dançar? — perguntou ele estendendo a mão para Flávia, que tremia da cabeça aos pés.
— Sim. — respondeu ela, com um tímido sorriso.
Os dois foram para a pista de dança.
O rapaz passou a mão na cintura de Flávia e a abraçou. A moça colocou suas mãos no pescoço dele e os dois se entregaram à música.
Flávia se sentiu nas nuvens, e não via mais ninguém ali, apenas o “seu príncipe encantado”, que olhava para ela com um sorriso maravilhoso, os dentes muito brancos e os lábios carnudos e sedutores. A moça fechou os olhos e se sentiu flutuar e segura nos braços fortes daquele estranho que a envolvia sensualmente ao ritmo lento da melodia. O coração de Flávia batia tão forte que até lhe faltava o ar. Era um momento especial para ela, que nunca havia estado perto de um rapaz. O sentimento era de vitória e de segurança.
Ele, por sua vez, sentia o perfume suave e doce do pescoço de Flávia e isso o deixava mais extasiado e envolvido pela adorável moça.
E assim os jovens permaneceram a noite toda, entre sorrisos, danças e conversas, até o baile terminar.
De mãos dadas o rapaz a acompanhou até em casa.
Tímidos e atraídos um pelo outro, não falavam nada, apenas sentiam o frescor da noite e o céu iluminado pela bela lua.
Chegaram à casa de Flávia. A moça, sem jeito, estendeu a mão ao rapaz para se despedir.
Ele, tímido também, fez o mesmo e seguiu seu rumo.

Continua...

 ==================

Segundo dia do CulturalMente Santista 2013
O Papel da Arte na Inclusão Social


Hoje, 27 de março, 19h30, no Café Teatro Rolidei
O PAPEL DA ARTE NA INCLUSÃO SOCIAL

Renato di Renzo, coordenador da ONG TAMTAM
Samuel de Castro, trabalhou como educador do projeto Querô na Escola, diretor do curta premiado “Torto” e atuou na Santos Film Comission. 
Mediação: Carla Zomignani, jornalista do jornal A Tribuna
Sinopse: Como utilizar a arte na inclusão social, projetos de destaque, as dificuldades encontradas. 
Avenida Senador Pinheiro Machado, 48, Vila Mathias, 3º piso do Centro de Cultura Patrícia Galvão
Gratuito

 

2º CulturalMente Santista

O evento reúne mais de 50 nomes da área cultural da região em bate-papos e apresentações artísticas de 26/03 a 06/04.
Projeto realizado na época do aniversário do site CineZen e concebido pelo jornalista André Azenha este ano tem parceria com o Sesc, novos temas e áreas da cultura envolvidos – programação terá nomes como Rubens Ewald Filho e José Roberto Torero.

Programação até dia 6/4:
Quinta, 28 de março, 19h30, no Centro Europeu Santos
MOMENTO E TENDÊNCIAS DO MERCADO FOTOGRÁFICO
Adilson Felix, coordenador do curso de fotografia do Centro Europeu Santos
Marcos Piffer, fotógrafo e editor da revista Guaiaó
Mediação: Marcus Vinicius Batista
Sinopse: Um panorama do mercado fotográfico, oportunidades, diferentes tipos de fotografia, tendências.
Rua Timbiras, 7, Gonzaga, Santos, 3301-1001
Gratuito

Sexta, 29 de março, 19h30, no Museu da Imagem e do Som de Santos (MISS)
ARTES VISUAIS: DAS GALERIAS ÀS RUAS

Waldemar Lopes, artista plástico
Fabricio Lopez, artista plástico
Mediação: Marco Santana
Como as diferentes formas das artes visuais dialogam e se completam, um panorama do mercado, espaços para exposições.
Avenida Senador Pinheiro Machado, 48, Vila Mathias, térreo
Gratuito
*Seguido da peça Reclame – Uma História de Amor, em apresentação extra com valor promocional de R$ 15,00.

Sábado, 30 de março, 16h30, na Realejo Livros
CRÍTICA E JORNALISMO CULTURAL
Gustavo Klein, colunista de cinema de A Tribuna
Chico Marques, colunista de música do Jornal da Orla
Mediação: Lincoln Spada
+ lançamento da revista Mirante 80 e sarau
O que é a crítica? Quais os critérios usados ao analisar uma obra artística? Um panorama do mercado e dicas para quem deseja ser crítico.
Rua Marechal Deodoro, 2, Gonzaga
Após o bate-papo, lançamento da revista literária Mirante.
Gratuito

Sábado, 30 de março, 20h, no Centro Europeu Santos
Vernissage da exposição de pinturas do artista Waldemar Lopes



Domingo, 31 de março, 17h, na Gibiteca Municipal
MERCADO DE QUADRINHOS
Alexandre Barbosa, o Bar, quadrinista, chargista
André Rittes, jornalista e professor cujo doutorado foi o uso dos quadrinhos na educação
Mediação: André Azenha
O mercado de quadrinhos vive um momento efervescente, inclusive por conta das adaptações dos gibis para o cinema. No Brasil, qual o panorama do mercado? Como conseguir produzir material autoral.
Stand-up comedy com Caio Marques
Gratuito

Terça-feira, 02 de abril, 19h30, no Ao Café
ARTES CÊNICAS
Célia Faustino, dança, Percutindo Mundos
Sidney Herzog, circo, do Núcleo Pavaneli, Teatro de Rua e Circo
Lourimar Vieira, teatro, Teatro do Kaos
Mediação: Denise Covas Borges
Sinopse: Como as artes cênicas dialogam entre si, o momento destes segmentos no país, oportunidades de trabalho e festivais.
Seguido pela peça Dama da Noite, com texto de Caio Fernando Abreu, direção de André Leahum e Luiz Fernando Almeida em cena.
Av. Siqueira
Campos, 462, Boqueirão
Gratuito

Quarta-feira, 03 de abril, 19h30, no Cineclube Lanterna Mágica

MOSTRAS E FESTIVAIS DE CINEMA
Eduardo Ricci, coordenador do Cineme-se, bienal de audiovisual
Junior Brassalotti, diretor de produção do Curta Santos
Mediação: Carlos Oliveira
Sinopse: O atual momentos dos festivais e mostras de cinema. Como Santos se posiciona neste cenário. A qualidade dos filmes inscritos.
Gratuito

Quinta-feira, 4 de abril, 19h30, no auditório do Sesc Santos
AS ADAPTAÇÕES DE LIVROS PARA O CINEMA
José Roberto Torero, diretor, roteirista, escritor
mediação: Jorge Oliveira
Sinopse: A relação entre as diferentes artes. Como analisar filmes baseados em livros. Como construir roteiros a partir de livros. Comentários sobre filmes baseados em obras literárias.
Gratuito

Sexta-feira, 5 de abril, 19h30, na Livraria Porto das Letras
REVISTAS LITERÁRIAS INDEPENDENTES
Ademir Demarchi, criador da revista Babel
Valdir Alvarenga, criador da revista Mirante
Mediação: Ineide di Renzo
Sinopse: A produção literária independente, como conseguir publicar dessa forma, os incentivos, projetos, dicas para manter revistas neste formato.
Gratuito

Sábado, 6 de abril, 20h, no Almanaque
MERCADO DE DJS
Wagner Parra, DJ, responsável pelo sebo Disqueria Santos, produtor cultural e sonoplasta
Lufer, DJ, criador da Futurafrica
Mediação: Marcelo Rayel
Sinopse: O segmento de DJs se expande cada vez mais e são várias as formas de atuar neste meio. Será traçado um panorama do mercado, explicadas as diferentes maneiras de ser um DJ e os espaços para discotecagem.
Rua Euclides da Cunha, 97, Gonzaga
Stand-up comedy com Euclydes Escames e Caio Marques
Após o bate-papo, show musical com Danilo Nunes e Jorge Lampa e convidados.

Gratuito

==================

Devaneios

Mirian Marclay Melo


Na solidão as paredes falavam com ela...
Na multidão ela falava consigo mesma...
Não parecia que sentia mais ou melhor.
Ser não pode ser uma questão de comparação.
A mente às vezes mente, é que suas descobertas
Não eram tão diferentes
E essa nem não era questão.
Fez sua escolha, aceitou que nada é posto
E que mudar não dependia apenas dos bens materiais.
Tampouco envelhecer nem sempre é evolução.
Canalhas também ficam velhos. 

Era preciso deixar alma serenar.
Fechou as janelas, em plena tarde
E saiu para ver o sol com os próprios olhos...
O céu nunca se repete
É puro, não compete, não possui padrões
E ainda assim
Abriga todas as estrelas do universo. 

Nenhum comentário: