sábado, 10 de novembro de 2012


Hoje deixo a última parte do conto de ficção científica, A Praga.

Conto A Praga
Última parte

...
Passaram-se 30 anos desde a expulsão de nosso planeta mãe e não mais retornamos. A saudade e a lembrança de nossa terra natal estavam mais afloradas nos últimos tempos.
Vivemos no planeta Plutão, que faz parte do nosso sistema solar. Aqui é um lugar frio e não tem muito a oferecer. Batalhamos arduamente por nosso alimento e necessidades; é como se estivéssemos aprisionados para sempre neste mundo hostil.
         Esse pensamento era comum entre todos e meu melhor amigo resolveu ir ter na Terra. Depois de semanas viajando ele apareceu, finalmente, na tela interativa.
— Amigos, nossa, nem tenho palavras para descrever o que vejo aqui. — Roger falava e chorava ao mesmo tempo, e aos fundos via-se um mundo novo!
— É inacreditável que seja o nosso planeta. Vocês precisam vir, eu e meu grupo fomos muito bem recepcionados pelos seres cibernéticos, que estão em paz agora. — Dizia Roger.
Ele descrevia o que via e falava que não retornaria mais, pois a Terra era seu lugar. Após esse episódio ele não se comunicou mais conosco. Entendemos que estava bem.
Depois de um ano sem notícias de Roger e de outras famílias que também foram para lá, resolvemos partir.
Demos nosso último adeus ao planeta gelado, pegamos nossas provisões e pertences e fomos para a terra.
Viajávamos há quatro semanas quando a turbulência da proximidade da atmosfera do planeta nos fez acordar.
Por um momento não acreditávamos no que víamos. A Terra estava azul novamente! Entramos na atmosfera e ficamos sobrevoando o planeta - reluzente como no início dos tempos.
As florestas reapareceram. Cachoeiras com águas límpidas. Pássaros voando e flores desabrochando. Tudo aquilo era milagre! Melhor dizendo, um trabalho contínuo e com muito esforço feito pelos robôs, que demoraram mais de 20 anos até que o planeta voltasse a ser o que era antes da habitação do homem.
Pousamos a nave no comando do líder dos robôs. Homens cibernéticos vieram nos recepcionar. Não estavam armados e foram gentis conosco, como se quisessem se redimir.
— Sejam bem-vindos, disse o líder, ao se aproximar de nós. — Vocês serão levados para uma moradia muito bem localizada, para que aproveitem melhor sua estadia, falava o líder dos robôs.
— Um amigo veio para cá há um ano e perdemos o contato. — Disse-lhe, desconfiado do fato.
— Não se preocupe que ele está bem, você vai ver, disse o líder. — Podem ficar sossegados que logo encontrarão seu amigo feliz da vida por aí.
Nisso, outra nave pousava no local e avistamos mais uma se aproximando.
Fiquei contente em saber que os terráqueos enfim retornavam ao berço natal.
Eu e minha família nos despedimos dos robôs e partimos para a moradia designada.
— É sábio isso que estamos fazendo com essa gente? — disse um seguidor ao líder robô — Eles mal sabem que têm pouco tempo aqui, até o vírus se manifestar.
— Sábio não é, mas não podemos deixar que os humanos voltem a destruir o planeta, falava o líder. A destruição está no sangue deles, e a terra não pode sofrer novamente por tudo o que passou. Eles não merecem estar aqui. O ser humano é uma praga! — Retrucou o robô líder a seu seguidor.


As pessoas, contudo, seguiam para suas moradias felizes, sem desconfiarem de nada do que viria pela frente e assim puderam vivenciar seus últimos momentos no planeta Terra.
-----------------------------
Tarde de autógrafos e bate-papo com Simone Marques e Eddy Khaos


Os escritores Simone Marques e Eddy Khaos conversam com os leitores hoje, das 16h às 22h, na Livraria Porto das Letras, - Av. Senador Pinheiro Machado, 1024, Canal 1, em Santos.  
----------------------------

Cia de Dança se 

apresenta no Sesc Santos

A São Paulo Companhia de Dança, SPCD, apresenta três coreografias de seu repertório no teatro do Sesc Santos, hoje e amanhã, às 21 horas. Entre os trabalhos estão In The Middle, Somewhat Elevated,de William Forsythe; Dois a Dois (Grand Pas de Deuxde O Quebra-Nozes, e Grand Pas de Deux de Dom Quixote) e Sechs Tänze, de Jirí Kylián.

Entre os destaques está uma bailarina santista, Thamiris Prata, que é solista da coreografia Dois a Dois (Grand pas de Deux de Dom Quixote). Ela se formou em balé clássico na Escola Municipal de Bailado de Santos.

Atividades educativas também fazem parte da programação e um Espetáculo Aberto Para Estudantes, ocorre hoje, às 15h, os inscritos assistem a algumas coreografias e/ou trechos de obras da companhia, vídeos e participam de atividades.

No domingo, a SPCD convida os bailarinos da cidade para a Oficina para Bailarinos, às 10h, onde terão contato com a técnica de balé clássico usada em uma companhia de dança profissional. Já às 11h45, na aula de Repertório em Movimento, aprendem trechos de coreografias que são dançadas pela companhia.


Serviço:
Cia de Dança
Quando: dias 9 e 10/11, hoje e amanhã, às 21h
Local: SESC Santos – Rua Conselheiro Ribas, 136, Aparecida
Ingressos: de R$2,00 a R$8,00
OBS.: Tanto o Espetáculo Aberto para Estudantes, quanto as Oficinas para Bailarinos têm entrada gratuita
Inscrições: educativo@spcd.com.br.
------------------------------
Curso Livre de Literatura e Escrita
 O Curso Livre de Literatura e Escrita se realiza na Livraria Realejo Cursos, de 10/11 a 1/12, das 10h às 12h, veja mais:



Nenhum comentário: