domingo, 7 de outubro de 2012


É muito bom recordar uma crônica tão gostosa como esta, ainda mais no domingo, considerado o dia do lazer.
A história faz parte do livro “Para Gostar de Ler”, volume 1, da editora Ática, 1977, que eu guardo a “sete chaves”.


Menina no jardim 
Paulo Mendes Campos 

Em seus 14 meses de permanência neste mundo, a garotinha não tinha tomado o menor conhecimento das leis que governam a nação. Isso se deu agora na praça, logo na chamada República Livre de Ipanema.  
Até ontem ela se comprazia em brincar com a terra. Hoje, de repente, deu-lhe um tédio enorme do barro de que somos feitos: atirou o punhado de pó ao chão, ergueu o rosto, ficou pensativa, investigando com ar aborrecido o mundo exterior. Por um momento seus olhos buscaram o jardim à procura de qualquer novidade. E aí ela descobriu o verde extraordinário: a grama. Determinada, levantou-se do chão e correu para a relva, que era, vá lá, bonita, mas já bastante chamuscada pela estiagem. 
Não durou mais que três minutos seu deslumbramento. Da esquina, um crioulão de bigodes, representante dos Poderes da República, marchou até ela, buscando convencê-la de que estava desrespeitando uma lei nacional, um regulamento estadual, uma postura municipal, ela ia lá saber o quê. 
Diga-se, em nome da verdade, que no diálogo que se travou em seguida, maior violência se registrou por parte da infratora do que por parte da Lei, um guarda civil feio, mas invulgarmente urbano. 
- Desce da grama, garotinha - disse a Lei. 
- Blá blé bli bá - protestou a garotinha. 
- É proibido pisar na grama - explicou o guarda. 
- Bá bá bá - retrucou a garotinha com veemência. 
- Vamos, desce, vem para a sombra, que é melhor. 
- Buh buh - afirmou a garotinha, com toda razão, pois o sol estava mais agradável do que a sombra. 
A insubmissão da garotinha atingiu o clímax quando o guarda estendeu-lhe a mão com a intenção de ajudá-la a abandonar o gramado. A gentileza foi revidada com um safanão. Dura lex sed lex. 
- Onde está sua mamãe? 
A garotinha virou as costas ao guarda, com desprezo. A essa altura levantou-se do banco, de onde assistia à cena, o pai da garota, que a reconduziu, sob chorosos protestos, à terra seca dos homens, ao mundo sem relva que o Estado faculta ao ir e vir dos cidadãos. 
A própria Lei, meio encabulada com o seu rigor, tudo fez para que o pai da garotinha se persuadisse de que, se não há mal para que uma brasileira tão pequenininha pise na grama, isso de qualquer forma poderia ser um péssimo exemplo para os brasileiros maiores. 
- Aberto o precedente, os outros fariam o mesmo - disse o guarda com imponência. 
- Que fizessem, deveriam fazê-lo - disse o pai. 
- Como? - perguntou o guarda confuso e vexado. 
- A grama só podia ter sido feita, por Deus ou pelo Estado, para ser pisada. Não há sentido em uma relva na qual não se pode pisar.
- Mas isso estraga a grama, cavalheiro! 
- E daí? Que tem isso? 
- Se a grama morrer, ninguém mais pode ver ela - raciocinou a Lei. 
- E o senhor deixa de matar a sua galinha só porque o senhor não pode mais ver ela? 
O guarda ficou perplexo e mudo. O pai, indignado, chegou à peroração: 
- É evidente que a relva só pode ter sido feita para ser pisada. Se morre, é porque não cuidam dela. Ou porque não presta. Que morra. Que seja plantado em nossos parques o bom capim do trópico. Ou que não se plante nada. Que se aumente
pelo menos o pouco espaço dos nossos poucos jardins. O que é preciso plantar, seu guarda, é uma semente de bom-senso nos sujeitos que fazem os regulamentos. 
- Buh bah - concordou a menina, correndo em disparada para a grama. 
- O senhor entende o que ela diz? - perguntou o guarda. 
- Claro - respondeu o pai. 
- Que foi que ela disse agora? 
- Não a leve a mal, mas ela mandou o regulamento para o diabo que o carregue.
--------------------------
Hoje é dia de eleição, então vote consciente.
Para quem pretende ir ao cinema, eis algumas dicas de filmes que estrearam:

Busca Implacável 2

O ex-agente da CIA Bryan Mills (Liam Neeson) está separado de Lenore (Famke Janssen), mas se mantém sempre próximo da filha Kim (Maggie Grace). Um dia, ao pegá-la para mais uma lição de direção, Bryan vê o atual namorado de Lenore deixar a casa dela às pressas. Logo descobre que ele cancelou uma viagem à China, onde Lenore pretendia passar um período de descanso ao lado da filha.
Bryan convida ambas a encontrarem com ele em Istambul, na Turquia, onde terá que realizar um serviço nos próximos dias. Elas topam e o encontram na cidade. O que Bryan não esperava era que Murad Krasniqi (Rade Serbedzija), o pai de um dos sequestradores mortos por ele ao resgatar a filha, deseja vingança. Para tanto elabora um plano onde não apenas Bryan corre risco de morte, mas também a filha e a ex-esposa.

Busca Implacável 2
Elecon: Liam Neeson, Maggie Grace, Framke Janssen, Leland Orser
DireçaÕ; Olivier Magaton
Duração: 1h34min
Classificação: 14 anos
Gênero: ação
Veja o trailer, acesse: 

 Até que a sorte nos separe 
comédia nacional

Livremente inspirado no best seller "Casais Inteligentes Enriquecem Juntos", de Gustavo Cerbasi. Tino (Leandro Hassum) é um pai de família comum que vê sua vida virar de ponta a cabeça após ganhar na loteria. Levando uma vida de ostentação ao lado da mulher, Jane (Danielle Winits), ele gasta todo o dinheiro em 10 anos. Ao se ver quebrado, Tino aceita a ajuda do vizinho Amauri (Kiko Mascarenhas), um consultor de finanças super burocrático e que por sinal vive seu próprio drama ao enfrentar uma crise no casamento com Laura (Rita Elmôr). 
Tentando evitar que Jane descubra a nova situação financeira, afinal ela está grávida do terceiro filho não pode passar por fortes emoções, Tino se envolve em várias confusões para fingir que tudo continua bem. Para isso, conta com ajuda do melhor amigo, Adelson (Aílton Graça), e dos filhos. 

Elenco: Leandro Hassum, Danielle Winits, Kiko Mascarenhas, Rita Elmor, Aílton Graça
Direção: Roberto Santucci
Duração: 1h38min
Classificação: Livre
Gênero: comédia
Veja o trailler, acesse: 


Filme francês
Até a eternidade

Para quem gosta de filme francês, Até a eternidade, em cartaz no Cine Arte Posto 4, em Santos, até o dia 11 de outubro.
O drama narra a história de um grupo de amigos que, apesar de ser um evento traumático, decidem manter as férias anuais na praia.
Neste contexto, finalmente eles serão forçados a confessar as mentiras que têm contado uns aos outros.
A direção é de Guillaume Canet.

“Até a eternidade”
(Les Petits Mouchoirs)
França / 2010 / 155 minutos
Gênero – drama
Direção - Guillaume Canet
Elenco -  François Cluzet, Marion Cotillard, Jean Dujardin, Gilles Lellouche, Benoît Magimel, Laurent Lafitte, Valérie Bonneton, Pascale Arbillot, Joël Dupuch, Anne Marivin, Louise Monot, Hocine Mérabet
Classificação – 12 anos

Sessões somente às 16h e 20h
Ingressos: R$ 3,00
O Cine Arte Posto 4 fica na Av. Vicente de Carvalho, s/n°, na praia, ao lado do Canal 3, em Santos
Telefone: 3288-4009

Veja o trailler, acesse: 
------------------------------
Primeira Semana de 
Contação  Histórias
Na Casa do poeta de Praia Grande
 
A Casa do poeta de Praia Grande convida para a 1ª Semana de Contação de Histórias, veja a programação:

08/10- 14h - Beto Fantoches - histórias - Bela e a fera, as sementes da estrada;
09/10 - 15h- Fábio Lisboa -escritor e contador de histórias com O Mistério amarelo da noite;
10/10 - 14h- Eliana Grecco- O Homem que amava caixas , A Festa da Bruxápéu 
10/10 - 15h - Eliana Lisboa- Semente da Verdade.
11/10- 10h e 14h - Tatiana Felix – O Menino que foi ao vento norte; A Árvore maravilhosa e o Capim encantado


O evento se realiza na Biblioteca Porto do Saber: Av. São Paulo, 900, Praia Grande  



Nenhum comentário: