segunda-feira, 4 de junho de 2012


Olá amigos, que a semana passe rápido e que venha logo o feriadão!
Compartilho um texto sobre a importância da acentuação, que é considerada uma “pedra no sapato” para muita gente.
O dia 30 de maio de 2012 será lembrado como uma data especial para os fãs de Sherlock Holmes. Saiba mais sobre o assunto.
Finalizando os assuntos de hoje, as últimas duas semanas não foram fáceis para Mark Zuckerberg. As ações do Facebook caíram 25% desde a abertura do capital, e acionistas estão processando a empresa. Saiba mais sobre a nova fase do Facebook.
Espero que vocês gostem dos assuntos de hoje e amanhã tem mais.  
Beijão,
Miriam

Acentuar corretamente: um exercício de intuição e treino


Uma das dificuldades encontradas pelos usuários da língua portuguesa se refere ao uso da acentuação.

A acentuação errada da palavra RAÍZ no Museu da Língua Portuguesa em São Paulo, em sua inauguração, criou um desconforto para os organizadores, idealizadores e revisores do museu. As mídias noticiaram o fato e os revisores do museu alegaram ter sido um erro do técnico, usuário da língua que desconhece as regras de acentuação, que fez o painel.

Observa-se nas redações de nossos alunos esta despreocupação com a utilização dos acentos. É comum ver textos escritos desprovidos da acentuação. A necessidade do acento se faz, pois em alguns casos na língua escrita precisamos indicar a sílaba tônica ou a pronúncia correta de uma palavra. Entretanto para muitas pessoas acentuar palavras é aterrorizante, pois sentem dificuldade em empregar o acento gráfico.

Vários podem ser os motivos: falta de conhecimento, dificuldade de aprendizagem das regras, falta de concentração e atenção, desleixo, medo existencial do sinal gráfico, revolta contra a acentuação por pensar que ela não é necessária, falta de revisar o texto antes de apresentá-lo, entre outras razões.

Porém, o maior motivo é a falta de atenção e revisão do texto. Uma das soluções para tal fato seria na ora da revisão ler o texto em voz alta. Este exercício de revisão faz com que o usuário da língua adquira experiência para intuir onde há acentos e aí aplicar as regras de acentuação gráfica com serenidade.

O uso de um livro de mini-gramática pode ser de grande auxílio, pois se houver receio quanto ao emprego de acentuação, o livro certamente será o melhor tira-dúvidas.

--------------------
Casa de Sherlock Holmes 
salva pela Justiça

O dia 30 de maio de 2012 será lembrado como uma data especial para os fãs de Sherlock Holmes. Tudo porque a Alta Corte de Londres impediu o desmantelamento da casa de Arthur Conan Doyle, batizada de Undershaw, em oito casas separadas. O escritor, criador do emblemático detetive, viveu lá entre 1897-1907 e escreveu 13 histórias de Sherlock.
A propriedade foi vendida em 1921 e transformada em um hotel, fechado em 2004. Apesar da aquisição, a casa permaneceu desocupado até hoje, caindo gradualmente a um estado de decadência avançado. Em 2010, o Conselho do Bairro Waverley decidiu autorizar o proprietário Fossway Ltd a dividir a casa em oito apartamentos separados.
O grupo Save Undershaw foi imediatamente formado para salvar a casa da reestruturação imobiliária e pedir a revisão nos tribunais da decisão administrativa. A campanha ganhou corpo na internet, com mais 10 mil fãs do detetive assinando a petição. O enorme sucesso da série produzida recentemente pela BBC, que atualiza o personagem criado, provavelmente cumpriu um papel importante na campanha.
A decisão do Supremo Tribunal de impedir a divisão da propriedade provocou uma explosão de alegria na última terça-feira, dia 30, entre os usuários do Twitter. O Conselho Waverley , por sua vez, não gostou da decisão e afirma ter feito tudo dentro dos conformes. O grupo adverte que, mesmo com o fim da guerra, batalhas ainda não acabaram, já que agora o objetivo é levantar os fundos necessários para restaurar Undershaw.
---------------------
Nova fase do Facebook

As últimas duas semanas não foram fáceis para Mark Zuckerberg. As ações do Facebook caíram 25% desde a abertura do capital, e acionistas estão processando a empresa. Zuckerberg não é mais uma das quarenta pessoas mais ricas do mundo. A FTC, uma agência de fiscalização norte-americana, está solicitando informações sobre a compra do Instagram pelo Facebook.
Mas, pode-se dizer que os problemas irão passar. Visto por um ângulo mais amplo, a oferta de ações foi muito bem. Quando os preços das ações de uma empresa disparam após um IPO, isso significa que a própria empresa, que vende as primeiras ações com uma oferta inicial, perdeu. E, independentemente do preço de suas ações, o Facebook ainda tem uma posição dominante na internet. Um artigo da The Atlantic aponta que os usuários da internet passam o dobro de tempo no Facebook do que normalmente dedicam ao Twitter, Google+, Tumblr, Pinterest e LinkedIn juntos. De acordo com o jornal, de cada cinco páginas acessadas na internet, uma é do Facebook, o que o torna valioso.
Mas o tumulto dos últimos dias traz uma questão importante: o Facebook precisa, mais do que qualquer outra empresa, se preocupar com a sua imagem. Tem que ser visto como confiável e, acima de tudo, inovador. Uma má gestão do IPO não é bom, nem enganar acionistas. Investigações governamentais também não são boa coisa. E perder cerca de US$ 5 bilhões, como aconteceu com Zuckerberg, decididamente não é bom.

As soluções

A estratégia de negócios do Facebook é, essencialmente, colonizar o resto da web. O objetivo é que a conta do Facebook se torne um login universal para outros sites. Ele quer fazer parcerias com fontes de notícias para que os usuários do Facebook sejam notificados sobre o que seus amigos estão lendo. Ele quer que transações sejam feitas pelo Facebook, e que tenha jogos. Mas cada um dos negócios precisa de um parceiro, e o parceiro precisa se sentir bem sobre o Facebook. Será que tais amizades serão fáceis de ser formadas agora que o Facebook é um gigante monetário?
O Facebook também está prestes a entrar em uma nova fase de gestão pessoal. Nos últimos anos, a empresa podia recrutar e contratar quase qualquer engenheiro que queria, já que o candidato se tornaria facilmente um “novo-rico”, com participação nas ações. Era o lugar para onde todos os hackers estavam indo para obter ouro. Agora, porém, a maioria das opções sumiu, o dinheiro e as ações já foram entregues. Como aconteceu com o Google há oito anos, a empresa se transformou em um lugar com a desigualdade de renda igual a do Brasil. Muitas pessoas são muito ricas e as pessoas que chegaram mais tarde, não são.
Ninguém vai construir um concorrente direto para o Facebook. As redes sociais crescem a partir do efeito de rede, e quanto mais usuários eles conseguem, mais pessoas eles atrairão. O Facebook estará presente por muito tempo e renderá muito dinheiro. Mas as coisas não andam muito bem, e o Facebook pode se tornar o que a Microsoft se tornou nos meados nos anos 90: uma empresa que é temida, não confiável e raramente amada. 

Nenhum comentário: