terça-feira, 5 de junho de 2012

Olá amigos, hoje se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente e o Histórias Fantásticas preparou uma edição especial sobre o assunto, com entrevista sobre o aquecimento global, com o Biólogo Fernando Santiago e muito mais.
O Santos Jazz Festival já está chegando. Veja mais novidades sobre o evento.
Tem também um pensamento de Fabian Balbinot e uma linda poesia de Marcos Henrique, autor do livro O Lado Avesso.
É isso aí, amanhã tem mais novidades. Aguardo você.
Um abraço verde,
Miriam

Hoje é Dia Mundial do 
Meio Ambiente

A criação da data foi em 1972, em virtude de um encontro promovido pela ONU (Organização das Nações Unidas), a fim de tratar de assuntos ambientais, que englobam o planeta, mais conhecido como conferência das Nações Unidas.
A conferência reuniu 113 países, além de 250 Organizações Não Governamentais (ONGs), em que a pauta principal abordava a degradação que o homem tem causado ao meio ambiente e os riscos para sua sobrevivência, de tal modo que a diversidade biológica deveria ser preservada acima de qualquer possibilidade.
Nessa reunião, criaram-se vários documentos relacionados às questões ambientais, bem como um plano para traçar as ações da humanidade e dos governantes diante do problema.
A importância da data está relacionada às discussões que se abrem sobre a poluição do ar, do solo e da água; desmatamento; diminuição da biodiversidade e da água potável ao consumo humano, destruição da camada de ozônio, destruição das espécies vegetais e das florestas, extinção de animais, dentre outros.
A partir de 1974, o Brasil iniciou um trabalho de preservação ambiental, através da Secretaria Especial do Meio Ambiente, para levar à população informações acerca das responsabilidades de cada um diante da natureza.
Mas em face da vida moderna, os prejuízos ainda estão maiores. Uma enorme quantidade de lixo é descartada todos os dias, como sacos, copos e garrafas de plástico, latas de alumínio, vidros em geral, papéis e papelões, causando a destruição da natureza e a morte de várias espécies de animais.
A política de reaproveitamento do lixo ainda é muito fraca, em várias localidades ainda não há coleta seletiva; o que aumenta a poluição, pois vários tipos de lixos tóxicos, como pilhas e baterias são descartados de qualquer forma, levando a absorção dos mesmos pelo solo e a contaminação dos lençóis subterrâneos de água.
É importante que a população seja conscientizada dos males causados pela poluição do meio ambiente, assim como de políticas que revertam tal situação.
E cada um pode cumprir com o seu papel de cidadão, não jogando lixo nas ruas, usando menos produtos descartáveis e evitando sair de carro todos os dias. Se cada um fizer a sua parte, o mundo será transformado e as gerações futuras viverão sem riscos.

Aquecimento global

O aquecimento global é uma consequência das alterações climáticas ocorridas no planeta. Diversas pesquisas confirmam o aumento da temperatura média global. Conforme cientistas do Painel Intergovernamental em Mudança do Clima (IPCC), da Organização das Nações Unidas (ONU), o século XX foi o mais quente dos últimos cinco, com aumento de temperatura média entre 0,3°C e 0,6°C. Esse aumento pode parecer insignificante, mas é suficiente para modificar todo clima de uma região e afetar profundamente a biodiversidade, desencadeando vários desastres ambientais. 
As causas do aquecimento global são muito pesquisadas. Existe uma parcela da comunidade científica que atribui esse fenômeno como um processo natural, afirmando que o planeta Terra está numa fase de transição natural, um processo longo e dinâmico, saindo da era glacial para a interglacial, sendo o aumento da temperatura consequência desse fenômeno.
No entanto, as principais atribuições para o aquecimento global são relacionadas às atividades humanas, que intensificam o efeito de estufa através do aumento na queima de gases de combustíveis fósseis, como petróleo, carvão mineral e gás natural. Outros fatores que contribuem de forma significativa para as alterações climáticas são os desmatamentos e a constante impermeabilização do solo.
O degelo é outra consequência do aquecimento global, segundo especialistas, a região do oceano Ártico é a mais afetada. Nos últimos anos, a camada de gelo desse oceano tornou-se 40% mais fina e sua área sofreu redução de aproximadamente 15%. 
Em busca de alternativas para minimizar o aquecimento global, 162 países assinaram o Protocolo de Kyoto em 1997. 
Atualmente os principais emissores dos gases do efeito de estufa são respectivamente: China, Estados Unidos, Rússia, Índia, Brasil, Japão, Alemanha, Canadá, Reino Unido e Coreia do Sul.

Opinião do Biólogo Fernando Santiago

Fernando você que é Biólogo, músico amador, pesquisador de Botânica, mestre em História da Ciência e doutor em Educação, em sua opinião, quais atos você acredita serem mais eficazes para conscientizar a população sobre o aquecimento global?

Fernando Santiago dos Santos: Eu creio no mote do ‘pensar globalmente e agir localmente’. Não há sentido em arrumar um país todo se cada município, cada rua e cada residência não der conta de solucionar seus próprios problemas. Creio que a consciência global seja uma coisa mais filosófica que prática. As ações têm de ser locais – somente pela mudança pontual e geograficamente localizada é que se consegue atingir mudanças mais amplas. Há diversos atos que esporadicamente são incentivados por ONGs ambientalistas em municípios brasileiros, como corridas pelo meio ambiente, passeios de bicicleta e caminhadas ecológicas, plantio de mudas de plantas nativas, entre outros. Estas coisas são importantes, pois mobilizam a consciência local, essencial para se avançar na tentativa de se delimitar uma ‘consciência global’.  

Sobre o Biólogo: trabalha com educação formal desde 1987 e com educação informal e não formal (museus, unidades de conservação, exposições etc.) há pelo menos 15 anos. Ministra minicursos, workshops, oficinas e palestras em diversos espaços (universidades, empresas e escolas) versando sobre educação, biologia, história da ciência e meio ambiente.

Conheça o profissional, acesse:
Algumas publicações podem ser conferidas em:
----------------------
Santos Jazz Festival
Discotecagem da Futuráfrica

De 14 a 17 de junho, Santos será a capital nacional do jazz. O Santos Jazz Festival, não só trará os grandes nomes do gênero à cidade, mas propiciará workshops à população, tudo de maneira gratuita, como também está atento ao que rola de mais interessante na noite da região. Desse modo, para esquentar o público durante os quatro dias, o evento contará com a participação dos DJs da Futuráfrica: Lufer, Dr. Caiaffo e Wagner Parra, que comandarão as pick-ups entre os shows do palco na Rua XV. Eles prometem apresentar a mistura de sons de boa qualidade que virou marca registrada da Vitrolada, atualmente uma das principais festas da noite na Baixada.
Já no dia 16, no Antonina Bar (rua XV de Novembro, 49, Centro), a partir das 23h, acontecerá a festa do festival, com o baile AfroJazzLatino, novamente com os três DJs e a possível intervenção de músicos do festival. Nesse dia, o set list mesclará os diversos ritmos que namoram o jazz: da salsa ao samba. Em breve, serão divulgados valor da entrada da festa e outros detalhes.

DJs da Futuráfrica

Wagner Parra, produtor cultural (Fiasco Produções, nos anos 80), dono do espaço mambembe (em São Paulo, entre o fim dos anos 80 e começo dos 90),  sonoplasta de teatro profissional, DJ desde 1980, catador de discos, e dono da tradicional Disqueria, que completa 25 anos em 2012.

Dj Lufer, o filho da mistura, que traduz em seus sets o resultado do caldeirão sonoro onde a África e as Américas são os principais ingredientes. Natural de Santos (SP), tem pai de origem africana e a mãe filha de portugueses. Nas reuniões familiares, o samba, a brasilidade enriqueceram sua mente com os batuques e as letras que retratavam o cotidiano e as crendices populares. Com esse exemplo em sua própria casa, aprendeu a respeitar e entender a pluralidade no mundo. Brasilidade, latinidade, Balkan Beats, Rare Grooves, Dub, Soul, e todos os beats do mundo fazem parte de seu set. É um dos criadores e produtor da festa Futuráfrica.

Stefanis Caiaffo (Dr. Caiaffo) é DJ e colecionador de discos de vinil. É residente dos projetos Futurafrica (Santos) e Caixa Preta (São Paulo) e também comanda o programa Feijão com Farofa na radio web Mínima FM. Seus sets misturam os diferentes caminhos da música universal, tendo como eixo condutor as matrizes africanas e seus ritmos dançantes. Já dividiu noites com DJs e músicos como Gerson King Combo, B-Negão e os Seletores de Frequência, Abayomy Afrobeat Orchestra, Tonho Crocco & Partenon 70, entre outros.

Santos Jazz Festival

São quatro dias de shows, 14 horas de música e cerca de 200 músicos envolvidos. Estão programados workshops com Hermeto Pascoal, Michel Leme, Luis do Monte e Mauro Hector. 
Toda a programação, gratuita, e que inclui André Christovam, Heraldo do Monte, Delicatessen, Yamandu Costa, Filó Machado, Roberto Sion, Arismar Espírito Santo, entre outras feras musicais, acontecerá em ruas e boulevares do Centro Histórico do município, Bolsa Oficial do Café e nos teatros Coliseu e Guarany.
Mais informações: www.santosjazzfestival.com.br

Também está nas redes sociais:

Colaboração: André Azenha – Jornalista/Assessor de Imprensa
                   -----------------------
Pensamento de Fabian Balbinot

"Como funciona a franquia do crime no Brasil: bandido criativo inicia uma nova prática criminosa; a imprensa divulga e ensina como se faz; o governo dá incentivos fiscais e facilita a vida dos interessados; por fim, todos se tornam bandidos, passam a praticar o novo crime e vivem felizes para sempre..."
------------------------
Marcos Henrique Martins
Poemas do livro de poesias "Dor" (em elaboração)

Quais são os aceitáveis? Quem se aceita de verdade? Sonhos poluídos me percorrem o corpo. Gritos de meninas que não estavam prontas para serem mães, pais ainda meninos, tortura, carrascos, anjos sem asas e mendigos.

O mundo não mudou apenas nomes mais belos e complicados surgiram.
Não ligo. Não me importo. É tudo mentira. Sempre me importei, sempre liguei, nunca fui visto. Tudo bem. Eu nunca fingi bem mesmo.

De onde se origina a vida sofrida? De onde vem todos esses dentes que me adormecem a face deixando gosto de sangue podre em minha língua. Feito vocês, eu finjo entender as respostas vagas.


Conheça o escritor e poeta, autor do livro Do Lado Avesso, acesse:




Nenhum comentário: